Presença de alunos com deficiência em engenharia aumenta 36% em 4 anos; veja faculdades com maior representatividade

Categories: Educação, EngenhariaPublished On: 21 de setembro de 2021By
Compartilhe!

Enquanto o total de estudantes de engenharia diminuiu, a presença de alunos com deficiência cresceu 36% nas faculdades de engenharia do Brasil entre 2016 e 2019.

Levantados pelo Responde Aí a partir do Censo da Educação Superior*, os dados mostram que a representatividade de pessoas com deficiência nos cursos de engenharia aumentou nesses quatro anos.

No mesmo período, o total de matriculados em engenharia caiu mais de 13%. O número teve queda a cada ano e desceu da casa do milhão para 904.046 estudantes em 2019.

Desse total, 4.502 são pessoas com deficiência (PcD), o que representa 0,5% dos estudantes de engenharia matriculados no Brasil. Esse número se aproxima da representatividade de PcDs no Ensino Superior do país, que é de 0,56%.

Inclusão de alunos com deficiência em engenharias

Enquanto matrículas totais caíram, número de alunos com deficiência cresceu nos últimos anos (Fonte: MEC/Responde Aí)

A taxa, no entanto, ainda é muito inferior à parcela de pessoas com deficiência no Brasil. De acordo com a última Pesquisa Nacional de Saúde divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 8,4% da população brasileira acima de 2 anos tem algum tipo de deficiência.

Leia mais:
+ Três engenharias estão entre as carreiras mais procuradas do Brasil
+ As faculdades de Engenharia mais difíceis de entrar pelo Enem

25 faculdades de engenharia com maior representatividade de PcDs no Brasil

No Brasil, apenas uma faculdade com mais de 300 matriculados tem representatividade de alunos com deficiência em cursos de engenharia maior que a taxa nacional.

Impulsionados pelos cursos de Engenharia Civil e Engenharia Elétrica, 9,9% dos alunos de engenharia do Centro Universitário Uninorte do Acre têm algum tipo de deficiência – a maior taxa de representatividade do Brasil. Em seguida, duas instituições públicas surgem com as maiores taxas.

Separamos duas listas, entre particulares e públicas, com as 20 universidades com maior taxa de alunos com deficiência em cada instituição.

Inclusão em universidades particulares

O destaque entre as particulares vai para a Uninorte do Acre, com taxa de quase 10% de pessoas com deficiência nos cursos de engenharia – a maior do Brasil. Entre as 20 instituições da lista, 10 são campus da Anhanguera espalhados pelo Brasil.

Universidade Total de alunos Alunos PcD %
Centro Universitário Uninorte do Acre 557 55 9,9%
Faculdade De Ciências Sociais Aplicadas De Sinop 315 10 3,2%
Faculdade De Ciências Sociais Aplicadas 414 13 3,1%
Faculdade Anhanguera Jaraguá Do Sul 339 10 2,9%
Pontifícia Universidade Católica De Goiás (PUC Goiás) 2051 46 2,2%
Faculdade Anhanguera de Sorocaba 649 14 2,2%
Faculdade Anhanguera de Sumaré 605 13 2,1%
Faculdade Anhanguera Pitágoras Votorantim 593 12 2,0%
Faculdade do Sul (Unime Itabuna) 631 12 1,9%
Faculdade Anhanguera De Pelotas 465 9 1,9%
Centro Universitário Faesa 706 12 1,7%
Faculdade de Macapá (Fama) 587 10 1,7%
Centro Universitário Anhanguera de São Paulo 1955 31 1,6%
Faculdade Anhanguera de São José 965 15 1,6%
Faculdade Anhanguera de Negócios e Tecnologias da Informação
511 8 1,6%
Faculdade Esamc Uberlândia 507 8 1,6%
Universidade Salgado de Oliveira (Universo) 2771 42 1,5%
Centro Universitário Anhanguera De Santo André 1144 17 1,5%
Faculdade Uninassau João Pessoa 660 10 1,5%
Faculdade Anhanguera de Joinville 597 9 1,5%

 

Inclusão em universidades públicas

A primeira instituição pública que aparece na lista tem a segunda maior taxa nacional. 5,4% dos estudantes de engenharia do Instituto Federal da Paraíba (IFPB) são pessoas com deficiência.

Em seguida, a Universidade Federal do Acre (Ufac) coloca o estado de novo no alto da lista, com 3,9% de estudantes com deficiência. Depois, a Universidade do Estado de Santa Catarina (Unesc) aparece na terceira colocação, com taxa de 3,0%. O Instituto Federal do Tocantins (IFTO) e a Universidade Federal do Ceará (UFC) completam o top 5.

Universidade Total de alunos Alunos PcD %
Instituto Federal da Paraíba (IFPB) 1192 64 5,4%
Universidade Federal do Acre (Ufac) 1326 52 3,9%
Universidade do Estado de Santa Catarina (Unesc) 3491 103 3,0%
Instituto Federal do Tocantins (IFTO) 1306 34 2,6%
Universidade Federal do Ceará (UFC) 6637 151 2,3%
Universidade Federal de Alagoas (Ufal) 2591 59 2,3%
Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa)
903 18 2,0%
Universidade Estadual de Goiás (UEG) 659 13 2,0%
Universidade Estadual de Maringá (UEM) 2827 53 1,9%
Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) 778 15 1,9%
Instituto Federal de São Paulo (IFSP) 3479 59 1,7%
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) 2383 41 1,7%
Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab)
409 7 1,7%
Universidade Federal de Roraima (UFRR) 386 6 1,6%
Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) 3835 57 1,5%
Universidade Federal da Paraíba (UFPB) 3148 44 1,4%
Universidade Federal do Piauí (UFPI) 3068 42 1,4%
Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF)
435 6 1,4%
Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) 452 6 1,3%
Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) 379 5 1,3%

 

Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência

Desde 2005, o dia 21 de setembro é marcado pela celebração do Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência. A data é marcada por ações que estimulam a inclusão de PcDs na sociedade brasileira, nos postos de trabalho e, claro, dentro das universidades do país.

A data foi oficializada em 2005 pela Lei nº 11.133, mas é celebrada pelo Movimento pelos Direitos das Pessoas com Deficiência desde o início da década de 1980. O dia 21 de setembro foi escolhido pela proximidade com o início da primavera e por ser quando é comemorado o Dia da Árvore.

Representando nascimento e renovações, os movimentos sociais se mobilizam para lutar pela inclusão e participação plena na sociedade e para conscientizar a população em relação ao capacitismo e os danos causados por esse preconceito social.

Saiba também: Conheça as melhores faculdades de Engenharia do Brasil

Como o Responde Aí chegou a esses números?

O Censo da Educação Superior é um levantamento anual realizado pelo Ministério da Educação (MEC). Ele mapeia todos os cursos de graduação e instituições de ensino do país. Os dados do Censo são bases públicas, disponibilizadas pelo MEC para consulta.

Analisando essas bases, o Responde Aí selecionou as instituições de ensino com mais de 300 alunos matriculados em cursos de engenharia e incluiu os estudantes declarados como “Cursando” e “Formado” no MEC.

No Censo, também é possível encontrar detalhes sobre o perfil de cada aluno matriculado. Assim, o Responde Aí incluiu todos os alunos com algum tipo de deficiência declarada no Censo de 2019, último divulgado pelo MEC.

Para verificar a evolução do número total de estudantes matriculados ao longo dos anos, foram consultados também os Censos de 2016, 2017 e 2018. Conheça o Responde Aí, plataforma que simplifica a vida de estudantes de Exatas.

*Elaboração dos Dados: Heitor Facini – Jornalista de dados

Leave A Comment