Eletrólise Ígnea

Teoria Completa

Eletrólise

Num capítulo não tão distante, a gente viu que existem dois tipos de processos eletroquímicos:

  • Pilha: Uma reação química gera eletricidade. Essa reação é espontânea e ocorre numa célula galvânica.
  • Eletrólise: A eletricidade força uma reação química não espontânea a acontecer. Esse processo ocorre numa célula eletrolítica.

Ou seja, na pilha, a diferença de potencial causa a transferência de elétrons do anodo para o catodo.

Já na eletrólise, a gente vai usar uma fonte externa de energia, pra forçar os elétrons a caminharem de um eletrodo para outro.

Ao forçar a retirada de elétrons de um eletrodo e a entrada de elétrons em outro eletrodo, a eletrólise proporciona reações não expontâneas. Ou seja, o cara tá ali perto do catodo, ele tem potencial de redução baixo, não tá a fim de se reduzir, tá de bouas. Mas a fonte externa tá forçando a chegada de um monte de elétrons ali. Tanto elétron, mas tanto elétron, que ele acaba se reduzindo. E lá no outro lado tem um cara que não fazia questão de se oxidar, se oxidando.

Na pilha era totalmente diferente. A tendência que o cara tinha de se reduzir (aliada a tendência de um cara no anodo em se oxidar) puxava os elétrons do anodo para o catodo. Sentiu a diferença?

Vamos ver o esquema de uma célula eletrolítica:

O cátodo segue sendo o eletrodo onde ocorre redução (consoante com consoante). E o ânodo, o eletrodo onde ocorre a oxidação (vogal com vogal).

Os cátions migram para o cátodo e os ânions para o ânodo. Tudo como antes.

A única coisa que muda da célula galvânica pra cá é a questão dos polos.

Aqui, o ânodo é o polo positivo e o cátodo é o polo negativo.

Na célula galvânica os elétrons saíam do polo negativo para o positivo, como a gente espera que um cara negativo como o elétron faça espontaneamente.

Mas aqui, estamos falando de reações não espontâneas! Então aquela bateria tá ali pra forçar a ida de elétrons pro polo negativo. Beleza?

Normalmente, na eletrólise a gente vai ter os dois eletrodos mergulhados no mesmo líquido. Então não vai ter ponte salina. E, muitas vezes, o contato elétrico dos eletrodos será feito por eletrodos inertes, tipo de platina ou grafite, que não vão participar ativamente das reações.

Pra eletrólise acontecer, a voltagem ( d d p da bateria) aplicada tem que ser maior que a d d p da reação espontânea (inversa à não espontânea).

E aquele liquidozinho ali do esquema pode ser:

  • Substâncias fundidas, sem água. Isso caracteriza a eletrólise ígnea.
  • Solução aquosa de substâncias. Isso caracteriza a eletrólise aquosa.

Eletrólise Ígnea

Bem, como a gente já falou aí em cima, na eletrólise ígnea a substância está no estado líquido (fundida) e não existe água no sistema.

Aí, tipo assim, se você tiver N a C l fundido, o N a + vai pro cátodo (onde ocorre a redução) e o C l - vai pro ânodo, onde ocorre a oxidação.

Portanto, a gente vai formar, nessa eletrólise, N a ( s ) no cátodo e C l 2 ( g ) no ânodo. Maneiro né?

Agora vamos ver as reações REDOX desses caras:

N a + + 1 e - → N a s       E R E D 0 = - 2,71   V

C l 2 + 2 e - → 2 C l -       E R E D 0 = + 1,36   V

Portanto, numa reação espontânea, o cloro sofreria a redução e o sódio a oxidação.

Eles formariam uma pilha com ∆ E ° = 1,36 - - 2,71 = 4,07   V .

Pra fazer a eletrólise desses caras, então, a gente vai precisar aplicar, no mínimo, 4,07 V.

Na prática, costuma-se usar um sobrepotencial, pra aumentar a eficiência da obtenção de produtos.

Se você for usar um sobrepotencial de 1,00 V, por exemplo, vai usar 5,07 V pra eletrólise do NaCl.

Estequiometria da Eletrólise

E como é que a gente pode prever a massa de produto obtida em um processo de eletrólise?

Bem, você precisa saber a constante de Faraday.

F = 964 8 5   C / m o l

Aí você precisa ver na reação REDOX do cara, quantos elétrons ele precisa.

Tipo assim, se você aplica uma corrente de 20   A durante 5   h   ( 18000   s ) , você estará aplicando uma carga elétrica de:

Q = i . t = 20   .   18000 = 360000   C

O que equivale a:

n = Q F = 360000 96495 = 3,73   m o l   d e   e l é t r o n s

Então a gente teve 3,73 mol de elétrons transportados durante essas 5 horas.

Se ainda estamos falando da produção de N a ( s ) a partir do N a C l fundido, cada mol de elétrons produz um mol de N a ( s ) . De acordo com:

N a + + 1 e - → N a s

Portanto, em 5 horas, vamos produzir 3,73 mol de N a ( s ) .

Como a massa molar do sódio é 22,99   g / m o l , a massa de sódio obtida será:

m = n . M M = 3,73   .   22,99 = 85,8   g

Se quiser ficar pra fazer uns exercícios de fixação, sua presença nos deixará honrados!

Se não, bora logo pro próximo capítulo!

Expandir

Exercício Resolvido #1

Peter Atkins & Loretta Jones. Princípios da Química, 5ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2012, pp 545-Teste 13.14A.

Que quantidade (em mols) de A l ( s ) pode ser produzida a partir de A l 2 O 3 se 5,0 mols de e - forem fornecidos?

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Vamos ver a reação de redução do alumínio:

A l 3 + + 3 e - → A l ( s )

Portanto, pra cada três mol de elétrons, formamos 1 mol de alumínio metálico.

Passo 2

Com 5 mols de elétrons, vamos produzir:

3 x = 5

x = 5 3 = 1,67   m o l s

1,67   m o l s de alumínio podem ser produzidos!

Resposta

1,67   m o l s

Exercício Resolvido #2

Elaboração própria.

Colocou-se um sal de prata fundido em uma célula eletrolítica. Uma bijuteria foi fixada no catodo para receber um “banho de prata” (eletrodeposição da prata reduzida). Se a quantidade de carga envolvida foi de 0,05 F, qual a massa de prata depositada?

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Olha aí a reação de redução da prata:

A g + + 1 e - → A g 0

Portanto, pra cada mol de elétrons, temos 1 mol de prata depositada.

Passo 2

Agora, olha só.

1 Faraday é a carga de 1 mol de elétrons (96495 C).

Então, 0,05 F é a carga de 0,05 mol de elétrons.

Se 0,05 mol de elétrons foram utilizados na eletrodeposição, 0,05 mol de prata foram reduzidos (a relação aqui está sendo toda de “um pra um” (1:1).

n A g = 0,05   m o l

Passo 3

Como ele pede a massa de prata, vamos precisar da massa molar da prata.

M M A g = 107,87   g / m o l

m A g = n A g   .   M M A g = 0,05   .   107,87 = 5,4   g

Então a biju recebeu 5,4 gramas de prata!

Resposta

5,4 g

Exercício Resolvido #3

IQSC – USP. Lista de Eletroquímica. Questão 12.

Quantos Faraday seriam exigidos para reduzir 1 mol de cada um dos seguintes produtos indicados:

a) C u + 2 → C u ( s )

b) F e + 3 → F e + 2

c) M n O 4 - → M n + 2

d) F 2 → 2 F -

e) N O 3 - → N H 3

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

a)

C u 2 + + 2 e - → C u ( s )

Portanto, para reduzir um mol de cobre II são precisos dois mols de elétrons. Ou seja: 2 Faraday.

Passo 2

b)

F e 3 + + e - → F e 2 +

Portanto, para reduzir um mol de ferro III para ferroII precisamos de um mol de elétrons. Ou seja: 1 Faraday.

Passo 3

c)

M n O 4 - + 8 H + + 5 e - → M n 2 + + 4 H 2 O

Mesmo que você não conheça a reação aí de cima (e não possa ver em uma tabela de potenciais), você pode ver que, pra passar do NOX +7 para o NOX +2, o manganês precisa de 5 elétrons.

E se precisa de 5 mols de elétrons, precisa de 5 Faraday!

Passo 4

d)

F 2 + 2 e - → 2 F -

Portanto, para reduzir o flúor conforme a reação, precisamos de 2 mols de elétrons. Isso equivale a 2 Faraday.

Passo 5

e)

N O 3 - → N H 3

Assim como na redução do permanganato, não precisamos conhecer a reação.

Basta saber o NOX da galera.

No N O 3 - , o nitrogênio tem NOX +5 (cada oxigênio tem NOX -2, com 3 oxigênios temos um total de -6, como o íon tem carga -1, o nitrogênio tem NOX +5).

No N H 3 , o NOX do nitrogênio é -3 (pois cada hidrogênio tem NOX +1).

Portanto, pra passar o nitrogênio de NOX +5 para NOX -3, precisamos de 8 elétrons: 8 Faradays.

Resposta

a) 2 Faraday

b) 1 Faraday

c) 5 Faraday

d) 2 Faraday

e) 8 Faraday

Exercício Resolvido #4

IQSC – USP. Lista de Exercícios de Eletrólise. Questão 14.

Quantos gramas de N a e C l 2 seriam produzidos se uma corrente de 25 A fosse aplicada durante 8 horas?

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

O enunciado não deixa claro se a eletrólise é ígnea. Mas, vamos considerar que sim.

Nesse caso, teremos N a C l fundido. Ao aplicar uma corrente o N a + vai pro cátodo (onde ocorre a redução) e o C l - vai pro ânodo, onde ocorre a oxidação.

Portanto, no catodo vamos ter a formação de N a ( s ) , o sódio metálico, segundo:

c á t o d o :       N a + + 1 e - → N a ( s )

Já no ânodo, teremos produção de C l 2 ( g ) , o gás cloro:

â n o d o :       2 C l - → C l 2 + 2 e -

Para a reação global, precisamos multiplicar a primeira Semirreação por dois:

2 N a + + 2 e - → 2 N a s

2 C l - → C l 2 ( g ) + 2 e -

r e a ç ã o   g l o b a l :       2 N a + + 2 C l - → 2 N a ( s ) + C l 2

Passo 2

Hora de fazer contas.

Com uma corente de 25 A durante 8 horas (28800 s), vamos ter uma carga elétrica de:

Q = i   .   t = 25   .   28800 = 7,2 . 10 5   C

Pra transportar essa carga, segundo a constante de Faraday, vamos precisar de n mols de elétrons, calculados por:

n = Q F = 7,2 . 10 5   C 96495 C m o l = 7,46   m o l

Já sabemos que 7,46 mols de elétrons estão envolvidos na eletrólise.

Passo 3

Pela reação de redução do sódio, vemos que cada mol de elétrons produz um mol de sódio metálico.

n N a ( s ) = 7,46   m o l

Já pela reação de oxidação do cloro, pra cada dois mols de elétrons temos a produção de um mol de gás cloro.

n C l 2 ( g ) = 3,73   m o l

Sabendo que a M M N a = 22,99 g/mol e a M M C l = 35,45 g/mol (dados da tabela periódica).

M M N a ( s ) = M M N a = 22,99   g / m o l  

M M C l 2 ( g ) = 2   .   M M C l = 2   .   35,45 = 70,9   g / m o l

E a massa de sódio metálico e gás cloro produzidos pode ser calculado por:

m N a s = n N a s   .   M M N a s = 7,46   .   22,99 = 171,5   g

m C l 2 g = n C l 2 g   .   M M C l 2 g = 3,73   .   70,9 = 264,5   g

Resposta

m N a s = 171,5   g

m C l 2 g = 264,5   g

Exercício Resolvido #5

Elaboração própria.

Considerando a redução de Z n 2 + para Z n ( s ) em uma célula eletrolítica, por quantos minutos uma corrente de 5,4.10 - 1 A deve ser aplicada para a produção de 1,0 g de Z n ?

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Esse exercício é o “inverso” dos que a gente fez até agora. Ele nos dá a massa produzida e pergunta o tempo de aplicação da corrente.

Por isso, vamos “começar pelo fim”.

Bora calcular quantos mols de zinco a gente vai produzir:

n Z n = m Z n M M Z n

A massa obtida de zinco foi dada no enunciado:

m Z n = 1,0   g

Já a massa molar de zinco a gente pega lá na tabela periódica:

M M Z n = 65,4   g / m o l

Então:

n Z n = m Z n M M Z n = 1,0 65,4 = 0,015   m o l

Show! Agora queremos saber por quan