Misturas e solubilidade

Teoria Completa

Olá! Tudo bom?

Nesse capítulo vamos definir umas palavras que você com certeza já escutou váaarias vezes: mistura, solução, solvente, etc.

A gente só vai dar um sentido químico mais específico pra cada uma delas, mas se você já é craque nisso, fica à vontade pra pular pro próximo capítulo, ein? 😊

O que são misturas?

Na vida real, a química não é feita só de substâncias puras (água, gás oxigênio, gás carbônico etc), e sim de misturas dessas substâncias.

Uma substância pura é um aglomerado de moléculas de um mesmo tipo, enquanto a mistura é o contrário – diversas moléculas de diferentes tipos que coexistem e se relacionam de alguma maneira na natureza.

Como exemplo das misturas mais famosas, temos o ar (uma mistura de váaaarios tipos de moléculas, mas principalmente gás oxigênio e gás nitrogênio), a gasolina (vários hidrocarbonetos diferentes que formam a gasolina), o álcool hidratado (mistura de etanol e água), etc.

Ok, mas porque elas nos interessam? O importante para nós é poder quantificar essas misturas, já que quase tudo que a gente utiliza na vida são misturas – até mesmo a água com açúcar que a gente tem que tomar quando vê a nota de Cálculo 3.

Mas antes disso, vamos classificá-las.

Mistura homogênea x heterogênea

A diferença entre as duas é bem simples: nas misturas heterogêneas podemos ver 2 fases ou mais. Ou seja, pelo menos 2 componentes da mistura são imiscíveis (não se misturam) e criam, assim, 2 fases.

O exemplo mais fácil é a água e o óleo: quando misturamos um no outro, podemos ver claramente que eles não se misturam.

Mas existem outros exemplos menos óbvios, como o leite e o sangue: apesar de parecerem uma só fase, se olharmos com um microscópio ou, no caso do sangue, centrifugarmos, poderemos ver que na verdade são duas ou mais! No leite, as gotículas de gordura não se misturam ao resto, criando uma segunda fase, e no sangue podemos separar plasma, góbulos brancos e góbulos vermelhos com uma centrifugação.

Já as misturas homogêneas são misturas que tem uma fase só! Ou seja, todos os componentes são miscíveis.

Como exemplo de misturas homogêneas temos a água do mar, o soro caseiro (água, açúcar e sal), o vinagre e muitos outros.

Soluções

As misturas homogêneas também podem ser chamadas de soluções. Fazer uma solução é um processo físico, e vamos tentar entender o que acontece com o exemplo da água com açúcar.

O açúcar que conhecemos é um composto de glicose, moléculas que interagem entre elas para formar os grãos que conhecemos. Essa glicose – de fórmula C 6 H 12 O 6 –, quando colocada na água, é solvatada pela água.

Isso quer dizer, as moléculas de glicose e de água começam a interagir entre elas até o momento em que moléculas de água estão envolvendo completamente as moléculas de glicose. Nesse momento, dizemos que a glicose foi solubilizada na água.

Misturar com a colher o copo de água com açúcar ajuda nesse processo porque, ao mexer a mistura, aumentamos o contato entre as moléculas de água e as moléculas de açúcar, e fica mais fácil para a água solvatar todo o açúcar.

Outro processo importante nas soluções é a precipitação. A precipitação é o contrário da solvatação ou diluição, e quer dizer que a glicose parou de ser solvatada pela água (veremos depois porque isso pode acontecer) e voltou a ser aqueles grãos de açúcar visíveis no copo.

Os elementos de uma solução são:

  • Solvente: é o composto que está em maior quantidade, e que vai solubilizar o soluto (no nosso exemplo, a água).
  • Soluto: é o composto que vai ser envolvido pelas moléculas de solvente! (o açúcar, no nosso exemplo).

Mas, quando fazemos uma mistura de água com açúcar, se colocamos muuuuuito açúcar, podemos ver os grãos na água, não é? Por que isso acontece?

Soluções saturadas e insaturadas

Quando colocamos muiiito soluto, chega um momento que o solvente não consegue mais englobar todas as moléculas de soluto! Quando isso acontece, algumas dessas moléculas não são dissolvidas e ficam na solução como uma outra fase. No nosso exemplo:

A solução saturada é a solução na qual o solvente já dissolveu o máximo de soluto que ele consegue dissolver.

Ou seja, em uma solução saturada, qualquer grão a mais de açúcar que eu coloco não vai entrar na mistura água + açúcar e vai formar essa fase que fica no fundo do copo – chamada corpo de fundo.

Entendendo o conceito de solução saturada é fácil de entender que a solução insaturada é justamente a solução que ainda não tem o máximo possível de soluto a ser solvatado.

Na solução insaturada, ainda conseguimos adicionar soluto sem formar corpo de fundo, ou seja, o solvente ainda consegue dissolver o soluto adicionado.

Além dessas duas, temos também a solução supersaturada. A solução supersaturada acontece quando, por exemplo, fazemos uma dissolução em uma temperatura elevada e depois deixamos a solução esfriar.

Normalmente, a solubilidade aumenta com a temperatura (veremos isso melhor no próximo capítulo), logo, ao fazer a solução em uma temperatura mais elevada, o solvente dissolve mais soluto.

Depois, quando resfriamos essa solução, a quantidade de soluto dissolvida continua a mesma, e, portanto, temos mais soluto dissolvido do que o solvente consegue, normalmente, naquela temperatura. Nesses casos, temos uma solução supersaturada.

Por isso, a solução supersaturada é uma solução instável, que possui mais soluto dissolvido do que seria possível em condições normais.

Confuso, né? Vamos ver um esqueminha que explica melhor:

Solubilidade molar

A solubilidade molar, s, é super importante para os cálculos de solubilidade. Ela representa a quantidade máxima de soluto, em mols, que uma certa quantidade de solvente consegue dissolver.

Você também pode ver em alguns exercícios a solubilidade molar: ela vai ser a concentração molar de soluto em uma solução saturada.

Por exemplo, à 17,5 ° C , a solubilidade da glicose na água é 83 g   d e   g l i c o s e 100 m l   d e   á g u a . Isso quer dizer que cada 100mL de água consegue dissolver 0,46 mols de glicose.

83 g   x   1   m o l 180,2   g = 0,46   m o l

Observação: A solubilidade pode ser expressa em outras unidades também, como g de soluto / 100g de solvente ou g de soluto / g de solução. É importante prestar atenção na unidade, mas o mais importante é entender o conceito de solubilidade. Solubilidade é a quantidade máxima de soluto que uma certa quantidade de solvente consegue solvatar! Não vamos esquecer isso, ein?

Confuso? Vamos praticar um pouco pra fixar então? 😊

Expandir

Exercício Resolvido #1

Elaboração própria.

Observe a representação dos sistemas I, II e III e seus componentes.

  1. óleo, água e gelo.
  2. água gaseificada e gelo.
  3. água salgada, gelo, óleo e granito.

Para cada um dos sistemas, identifique o número de substâncias e de fases.

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

I. Nesse sistema temos três fases – duas líquidas e uma sólida.

Óleo e água são imiscíveis, por isso, não se misturam e formam duas fases líquidas. O gelo, como está na fase sólida, forma uma nova fase (que fica entra as duas fases formadas pelos líquidos pois tem a densidade menor que a água líquida).

Para sabermos se é ou não uma mistura, precisamos olhar para os componentes e os tipos de moléculas envolvidas. Água e gelo são ambos a mesma substância, só muda o estado físico, logo, não configuram uma mistura. Mas, quando adicionamos o óleo, que é uma substância completamente diferente da água, vemos que o total é sim uma mistura!

E como é uma mistura imiscível, que forma 3 fases, é uma mistura heterogênea.

Assim, a mistura é heterogênea, contem 3 fases e 2 substâncias.

Passo 2

II. A água e o gelo, como já vimos, não é uma mistura, embora sejam 2 fases, pois são formados pela mesma substância pura.

A água gaseificada é água que tem gás carbônico dissolvido, o que compõe uma mistura de 2 fases – o gás carbônico gasoso e a água líquida.

Essa mistura é heterogênea (podemos ver todas as fases), tem 3 fases e 2 substâncias.

Passo 3

III. A terceira mistura contém gelo, água salgada, óleo e granito.

Podemos ver então que existem 6 fases:

  • óleo
  • água salgada (mistura homogênea de água e sall)
  • gelo
  • a   m i s t u r a   h e t e r o g ê n e a   s ó l i d a   q u e   é   o   g r a n i t o ,   f o r m a d o   p o r   3   f a s e s   d e   s ó l i d o s :

  q u a r t z o   f e l d s p a t o m i c a

Temos, portanto, 7 substâncias: as 3 que formam o granito, o gelo, o óleo e a mistura homogênea água + sal (que contém 2 substâncias).

Resposta

  1. 2 substâncias e 3 fases.
  2. 2 substâncias e 3 fases.
  3. 7 substâncias e 6 fases.

Exercício Resolvido #2

Lista de exercícios UFES.

Relacione as colunas:

Coluna I:

a) Mistura líquida homogênea constituída por duas substâncias.

b) Mistura bifásica formada por três substâncias.

c) Mistura trifásica formada por duas substâncias.

d) Solução líquida.

e) Mistura homogênea constituída por três substâncias.

Coluna II:

I. água + álcool + areia

II. vapor de água + gás carbônico + gás oxigênio

III. sal + água

IV. água + areia + gelo

V. álcool hidratado.

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Para resolver esse problema, a maneira mais fácil é começar pela coluna II!

I. água + álcool + areia: essa mistura tem 2 fases, 1 líquida e 1 sólida. A fase líquida é composta por água + álcool, uma mistura homogênea, e a fase sólida é composta pela areia.

São três substâncias diferentes nessa mistura, e podemos classificá-la como mistura bifásica formada por 3 substâncias (opção b).

Passo 2

II. vapor de água + gás carbônico + gás oxigênio: essa mistura é composta por 3 substâncias diferentes e que não podemos distinguir olhando para a mistura, ou seja, ela só tem 1 fase. Assim, ela é uma mistura homogênea composta de 3 substâncias (opção e).

Passo 3

III. sal + água: essa é uma mistura homogênea (até o ponto da solubilidade molar), e, como o exercício não especifica a quantidade de sal solubilizado em água, podemos dizer que é uma solução líquida. Portanto, opção D.

Passo 4

IV. água + areia + gelo: essa mistura heterogênea tem 2 substâncias envolvidas, a água e a areia, embora tenha 3 fases, 2 sólidas e uma líquida. Ela é, portanto, a opção C, uma mistura trifásica (fase líquida composta pela água, fase sólida – areia e fase sólida – gelo) formada por 2 substâncias – água e areia.

Passo 5

V. álcool hidratado: é uma mistura homogênea composta por água + álcool! É, logo, a opção A 😊.

Resposta

  1. V
  2. I
  3. IV
  4. III
  5. II

Exercício Resolvido #3

Elaboração própria.

Dentre as figuras acima, identifique as misturas e classifique-as em homogêneas ou heterogêneas.

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Entre as opções, temos que identificar as que não são misturas: A e a E, já que são opções em que só existe uma substância envolvida no sistema. Embora o sistema E tenha 2 fases (o que caracteriza ele como heterogêneo), ele não é uma mistura, já que só existe uma substância envolvida: a água.

Passo 2

Agora vamos passo a passo!

B) A mistura B é uma solução líquida formada por água + sal... Como só vemos uma fase, podemos classificá-la como mistura homogênea.

C) Mesma coisa da opção B! Álcool e água são miscíveis, ou seja, quando colocados em solução formam uma só fase. Essa mistura é, portanto, homogênea.

D) O ar é uma mistura composta por váaaarias substâncias diferentes, mas majoritariamente o gás oxigênio e nitrogênio. Como olhamos para o ar e não conseguimos distinguir os diferentes componentes (eles formam uma só fase), é uma mistura homogênea.

F) Óleo + água são imiscíveis, e, quando colocados juntos em solução, formam duas fases líquidas. Formam, portanto, uma mistura heterogênea.

G) Água + areia também formam duas fases quando misturados, ou seja, é uma mistura heterogênea.

H) Areia + sal, embora sejam os dois sólidos, também formam duas fases quando misturados. Talvez seja menos evidente do que uma mistura líquida heterogênea, já que ambos são grãos e são pequenos, mas conseguimos distinguir os dois visualmente, e, portanto, formam uma mistura heterogênea.

Resposta

  1. Não é uma mistura, só contém uma substância.
  2. Mistura homogênea.
  3. Mistura homogênea.
  4. Mistura homogênea.
  5. Não é uma mistura, só contém uma substância.
  6. Mistura heterogênea.
  7. Mistura heterogênea.
  8. Mistura heterogênea.

Exercício Resolvido #4

Lista de exercícios Unifesp – SP.

Uma solução contendo 14 g de cloreto de sódio dissolvidos em 200 mL de água foi deixada em um frasco aberto, a 30°C. Após algum tempo, começou a cristalizar o soluto. Qual volume mínimo e aproximado, em mL, de água deve ter evaporado quando se iniciou a cristalização?

Dados: solubilidade, a 30°C, do cloreto de sódio = 35 g/100 g de água; densidade da água a 30°C = 1,0 g/mL.

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

O primeiro passo é entender o problema! Solubilizamos cloreto de sódio (NaCl) em água e, com o tempo, o soluto começou a se cristalizar porque a água evaporou, ou seja, a quantidade de soluto diminuiu, e, com isso, a quantidade de solvente que a solução consegue dissolver também.

A solubilidade a 30 ° C é 35g de NaCl em 100g de água, ou seja, cada 100g de água consegue dissolver 35g de NaCl. Para os 14g já estarem começando a cristalizar, eles estão a mais do que a solubilidade. Ou seja, a proporção NaCl dissolvido – água já passou da proporção máxima possível (que é a solubilidade).

Passo 2

Precisamos saber quanto de água consegue dissolver 14g de NaCl, a 30 ° C .

35 g   N a C l -   100 g   á g u a

14 g   N a C l - x   g   á g u a  

x = 1400 35 = 40 g

Ou seja, a 30 ° C , para dissolver 14g de NaCl, precisamos de pelo menos 40g de água.

Se o soluto está começando a cristalizar, não temos as 40g de água necessárias.

Antes, tinhamos 200ml de água no frasco.

200   m l   .   1 g 1 m l = 200 g

Se agora não temos nem 40g, isso quer dizer que pelo menos 160g de água evaporaram.

160 g   d e   á g u a   .   1   m l 1   g = 160   m l

Resposta

160 ml de água evaporaram.

Exercício Resolvido #5

Lista de exercícios UNICAMP – SP.

Nas salinas, o cloreto de sódio é obtido pela evaporação da água do mar a 30°C, aproximadamente.

a) Um volume de água do mar é evaporado até o aparecimento de NaCl sólido. Qual é a concentração de NaCl na solução resultante? Justifique a resposta.

b) Qual o volume de água do mar que deve ser evaporado completamente para a produção de 1,00 kg de NaCl sólido?

Dados:

– Massa molar do NaCl = 58,4 g/mol

– Solubilidade do NaCl em água, a 30 °C = 6,16 mol/L, que corresponde a 360 g/L

– Concentração do NaCl na água do mar = 0,43 mol/L, que corresponde a 25 g/L

– Densidade da água do mar a 30 °C = 1,03   g / c m 3

– Densidade da água pura a 30 °C = 0,9956   g / c m 3

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

a) Para chegarmos no aparecimento de NaCl sólido, precisamos ter mais soluto do que o solvente consegue solubilizar. Sabemos que a solubilidade é o máximo de soluto que um solvente consegue solubilizar a uma certa temperatura e pressão, né?

Para cristalizarmos o NaCl, então, precisamos diminuir a quantidade de solvente a tal ponto que obteremos mais do que 6,16 mol/L de NaCl em solução. Quando isso acontecer, a quantidade de sal que não for solvatada vai cristalizar e formar o sólido, também chamado corpo de fundo.

A solução resultante, porém, continua saturada, ou seja: com 6,16 mol de NaCl /L de água (ou 360g/L).

Passo 2

b) A solubilidade do NaCl em água é 360g/L. Isso quer dizer que cada litro de água consegue dissolver 360g de NaCl.

Partindo de uma solução saturada: se evaporamos 1L de água do mar, teremos 1L a menos para solubilizar o NaCl, o que quer dizer 360g de NaCl que não terão como ser solvatados. Ou seja, a cada 1L de água do mar evaporada, 360g de NaCl precipitam em uma solução saturada!

Para precipitarmos 1kg de sal de uma solução saturada, precisaremos de:

1 k g 360 g .   1 L = 2,78   L  

Porém, como a concentração de sal na água do mar é 0,43 mol/L, ainda precisamos evaporar uma certa quantidade de água para transformar essa solução em uma solução saturada...

Usando a regra de diluição:

M 1 V 1 = M 2 V 2

6,16 m o l L .   1 L =   0,43 m o l L .   V 2

V 2 = 14,32   L

Ou seja, para produzir 1L de solução saturada de NaCl, precisamos evaporar 14,32 - 1 = 13,32   L de água do mar.

Como precisamos produzir e evaporar 2,78L de solução saturada, vamos ter que evaporar:

13,32 L   .   2 , 78 ⏟ p a r a   p r o d u z i r   2,78 L   d e   s o l u ç ã o   s a t u r a d a + 2,78 L ⏟ p a r a   e v a p o r a r   a   s o l u ç ã o   s a t u r a d a   e   p r e c i p i t a r   o   s a l = 39,8   L

No final, então, teremos que evaporar aproximadamente 40L de água do mar.

Resposta

  1. A solução resultante é uma solução saturada: 360g de NaCl/L de água.
  2. Precisamos evaporar 40 L de água do mar.

Exercício Resolvido #6

Lista de exercícios PEQ.

Observe a sequência abaixo, em que o sistema I se encontra a 25°C com 100g de água.

Analise agora as seguintes afirmativas, dizendo se são verdadeiras ou falsas:

I. A 25°C, a solubilidade do sal é de 20g/100g de água.

II. O sistema III é uma solução supersaturada.

III. O sistema I é uma solução insaturada.

IV. Colocando-se um cristal de sal no sistema III, este se transformará rapidamente no sistema

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Esse exercício é ótimo para entendermos um pouco mais sobre soluções saturadas e supersaturadas.

I. Podemos descobrir qual a solubilidade do sal a 25oC observando o sistema I. Nele, há 15g de sal dissolvidos e 5g de sal sólido como corpo de fundo. Para isso acontecer, o solvente já dissolveu tudo que ele conseguia, e o resto foi cristalizado e ficou como corpo de fundo.

Ou seja, a solução que está em equilíbrio com o sal sólido é uma solução saturada – onde o solvente já dissolveu o máximo de soluto possível. Isso quer dizer que a concentração dessa solução é a solubilidade: 15g de sal/100g de água.

Essa opção é, portanto, falsa.

Passo 2

II. Essa opção está correta! A solubilidade do sal a 25oC é 15g/100g de água e, mesmo assim, temos 20g dissolvidas. Isso acontece porque, ao aquecermos a solução (sistema II), aumentamos a solubilidade do sal, e as 20g foram dissolvidas. Ao deixarmos a solução resfriar normalmente (sistema III), as 20g continuam dissolvidas – embora a solubilidade seja 15g/100g de água novamente.

Por conter mais soluto do que o seria possível nas condições normais, o sistema III representa uma solução supersaturada!

Passo 3

III. Se o sistema I fosse uma solução insaturada, os 5g de sal sólido estariam sendo solubilizados, já que o solvente ainda teria como solvatar mais soluto.

Como existe um corpo de fundo, a solução é saturada e não consegue mais dissolver o sal. Essa opção é falsa!

Passo 4

IV. Essa opção é verdade, já que a solução super saturada é extremamente instável! Quando adicionamos um pouco de sal, ela já se separa em corpo de fundo + solução saturada de novo.

Resposta

Falsa

Verdadeira

Falsa

Verdadeira

Exercício Resolvido #7

Adaptado da lista de exercícios do PEQ.

Evapora-se completamente a água de 40g de solução de nitrato de prata, saturada, sem corpo de fundo, e obtém-se 15g de resíduo sólido. Qual a solubilidade do nitrato de prata para 100g de água na temperatura da solução inicial?

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Vamos entender o que a questão está dizendo: evaporou-se completamente a água de uma solução e restou 15g de resíduo sólido, isso quer dizer que, em solução, havia 15g de nitrato de prata.

Como tínhamos 40g de solução, e desses 15g eram nitrato de prata, tínhamos, então, 25g de água (que foi evaporada).

Essa solução era saturada, ou seja, sua concentração era igual à solubilidade do nitrato de prata em água nessa temperatura.

Se 15g de nitrato em 25g de água era a solubilidade nessa temperatura, para calcular em 100g de água basta multiplicar por 4!

A solubilidade do nitrato de prata em 100g de água na temperatura da solução inicial é, então, 15 g   x   4 = 60 g .

Resposta

A solubilidade é 60g nitrato de prata/100g de água.

Exercício Resolvido #8

Adaptado da lista de exercícios do PEQ.

Considere a tabela de coeficientes de solubilidade, a 20°C, em gramas de soluto por 100g de água.

Ao adicionarmos, em recipientes distintos, 200g de soluto em 1 kg de água, em quais recipientes vai ser formado precipitado?

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Para sabermos em qual vai ser formado precipitado, precisamos comparar a solubilidade com a quantidade de soluto que estamos colocando no recipiente.

Se a quantidade de soluto for maior do que a solubilidade, haverá a formação de precipitado.

200g de soluto em 1 kg de água é equivalente a 20g de soluto em 100g de água, né? Então, se as solubilidades forem maiores do que 20g soluto/100g de água, a solução não será saturada com corpo de fundo, e sim insaturada.

Mas, se a solubilidade for menor do que 20g soluto/100g de água, a água não vai conseguir dissolver todo o soluto que foi colocado, e haverá precipitado.

Assim, as soluções que vão formar precipitado são as dos recipientes II, IV e V.

Resposta

Os recipientes II, IV e V.

Exercício Resolvido #9

Elaboração própria.

O coeficiente de solubilidade para o cloreto de sódio é 357 g/L a 0 ° C e 398 g/L a 100 ° C . Qual o tipo de solução e a quantidade de sal restante, quando são adicionados 115g de sal em 250mL, a temperatura de 100 ° C ?

  1. Qual o tipo de solução e a quantidade de sal restante quando adicionamos 95g de sal em 250ml de água, a 0 ° C ?
  2. O que acontece se esquentarmos essa solução a 100 ° C ? Qual o tipo de solução formada?
  3. Se deixarmos essa solução resfriar cuidadosamente, percebemos que não há a formação de corpo de fundo. Por que isso acontece e qual o nome dessa solução?
MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

a) A 0 ° C , a solubilidade é 357 g/L, ou seja, 1L de água pode dissolver no máximo 357g de sal. Isso significa que 250ml de água pode solubilizar no máximo 89,25g de sal.

Quando fazemos uma solução de 95g de sal em 250mL de água, passamos da quantidade máxima de soluto que a água consegue solubilizar. Por isso, formamos corpo de fundo, já que uma parte do sal vai ficar no estado sólido.

O que acontece, então, é que formamos uma solução com o máximo de soluto possível + um corpo de fundo. A solução com o máximo de soluto possível é uma solução saturada (de concentração 357g/L) e a quantidade de sal não solubilizada é calculada pelo excesso de sal:

95 g -   89,25 g = 5,75 g

Passo 2

b) Quando aquecemos a solução a 100 ° C , a solubilidade muda para 398g/L, e os 250ml de água passam a conseguir solubilizar 99,5g de sal.

Assim, os 95g adicionados são solubilizados e formamos uma solução insaturada – com menos soluto que o máximo que o solvente consegue dissolver.

Passo 3

c) Quando deixamos a solução resfriar sozinha, formamos uma solução supersaturada, com mais soluto dissolvido do que normalmente seria possível, já que os 5,75g de sal que antes eram corpo de fundo foram incorporados à solução.

Resposta

  1. Solução saturada e 5,75g de sal restantes.
  2. Se esquentarmos a solução todo o sal é solubilizado e formamos uma solução insaturada.
  3. Isso acontece porque formamos uma solução supersaturada – extremamente instável e que pode conter mais soluto do que a solubilidade naquela temperatura.

Esse conteúdo é exclusivo para cadastrados.

Cadastre-se grátis no maior portal de exatas do Brasil!

Relaxa, não vamos publicar nada no seu nome.

  • Resumões direto ao ponto
    Resumões
    direto ao ponto
  • Exercícios resolvidos passo a passo
    Exercícios resolvidos
    passo a passo
  • Videoaulas incríveis
    Videoaulas
    incríveis
  • Aulões Salva-Vidas
    Aulões
    Salva-Vidas