Equação Não Exata - Fator Integrante

Teoria Completa

Vamos resolver essa EDO

x 2 + y 2 d x + x 3 + 3 x y 2 + 2 x y d y = 0

Ela tem a maior cara de exata não é? Vamos ver se ela é exata

Aqui,

M x , y = x 2 + y 2

N x , y = x 3 + 3 x y 2 + 2 x y

Assim

∂ M ∂ y = 2 y

∂ N ∂ x = 3 x 2 + 3 y 2 + 2 y

Droga, deu diferente

Não é exata.

Vou tomar uma liberdade aqui de usar uma mágica

Vamos multiplicar toda a equação por e 3 y

e 3 y x 2 + y 2 d x + e 3 y x 3 + 3 x y 2 + 2 x y d y = 0

Vamos aplicar a condição de Euler de novo pra ver se mudou alguma coisa?

Agora

M x , y = e 3 y x 2 + y 2

E

N x , y = e 3 y x 3 + 3 x y 2 + 2 x y

Logo

∂ M ∂ y = e 3 y 2 y + 3 e 3 y x 2 + y 2 = e 3 y 2 y + 3 x 2 + 3 y 2

∂ N ∂ x = e 3 y 3 x 2 + 3 y 2 + 2 y

A equação agora é exata!

Bruxaria né? O que que fizemos aqui? Tínhamos uma equação querendo muito ser exata, mas não era. Daí multiplicamos ela por uma função que fez ela virar exata.

Esse tipo de EDO é a que chamamos de quase exata. Falta só um empurrãozinho para ela ser exata. Esse empurrão é o nosso fator integrante.E como saber se ela admite esse tal fator e que fator é esse?

Achando o Fator integrante

Nós vamos ter dois candidatos para fator integrante

Candidato 1:

∂ M ∂ y - ∂ N ∂ x N

Se essa função só tiver x , vamos fazer

h x = ∂ M ∂ y - ∂ N ∂ x N

E o fator integrante vai ser

u x = e ∫ h x d x

Candidato 2:

∂ N ∂ x - ∂ M ∂ y M

Se essa função só tiver y , vamos fazer

f y = ∂ N ∂ x - ∂ M ∂ y M

E o fator integrante vai ser

u y = e ∫ f y d y

Resolvendo EDO quase exata

Olhamos a nossa EDO

x 2 + y 2 d x + x 3 + 3 x y 2 + 2 x y d y = 0

Não era exata, vamos ver os dois candidatos

∂ M ∂ y - ∂ N ∂ x N = 2 y - 3 x 2 + 3 y 2 + 2 y x 3 + 3 x y 2 + 2 x y = - 3 x 2 - 3 y 2 x 3 + 3 x y 2 + 2 y

Não, esse cara não é fator integrante. Não depende só de x

∂ N ∂ x - ∂ M ∂ y M = 3 x 2 + 3 y 2 + 2 y - 2 y x 2 + y 2 = 3 x 2 + 3 y 2 x 2 + y 2 = 3

Opa, deu uma constante. Não tem nenhum x ali, né? Então só depende de y

f y = 3

E o nosso fator integrante vai ser

u y = e ∫ 3 d y = e 3 y

Por acaso a nossa mágica ;)

Passamos a ter uma EDO exata

e 3 y x 2 + y 2 d x + e 3 y x 3 + 3 x y 2 + 2 x y d y = 0

E agora é só resolver como já vimos em EDO Exata.

Observação: vou te dizer rapidinho de onde vem esse paranauê de fator integrante. Se você tá feliz só de decorar a fórmula, parte pros exercícios! Se quiser entender o por quê delas vem comigo. Vamos voltar pra nossa EDO do início:

x 2 + y 2 d x + x 3 + 3 x y 2 + 2 x y d y = 0

E já vimos que a EDO não é exata! A ideia do fator integrante vem agora. Vamos multiplicar esse bagulho por um fator integrante I ( x , y ) que vai fazer a EDO ficar exata. Ou seja:

d x x 2 + y 2 I ( x , y ) + d y x 3 + 3 x y 2 + 2 x y I ( x , y ) = 0

Será uma EDO exata. Isso quer dizer que:

∂ ( M x , y I x , y ) ∂ y = ∂ ( N x , y I x , y ) ∂ x

Vamos aplicar a Regra da Cadeia nessa expressão:

∂ M x , y ∂ y I x , y + ∂ I x , y ∂ y M x , y = ∂ N x , y ∂ x I x , y + ∂ I x , y ∂ x N x , y

Agrupando:

I x , y ∂ M x , y ∂ y - ∂ N x , y ∂ x + ∂ I x , y ∂ y M x , y - ∂ I x , y ∂ x N x , y = 0

E aí você vai substituir as expressões de M , N e suas derivadas. No nosso caso, vamos chegar a:

∂ M x , y ∂ y = 2 y

∂ N x , y ∂ x = 3 x 2 + 3 y 2 + 2 y

Substituindo:

I x , y 2 y - 3 x 2 - 3 y 2 - 2 y + ∂ I x , y ∂ y x 2 + y 2 - ∂ I x , y ∂ x x 3 + 3 x y 2 + 2 x y = 0

I x , y - 3 x 2 - 3 y 2 + ∂ I x , y ∂ y x 2 + y 2 - ∂ I x , y ∂ x x 3 + 3 x y 2 + 2 x y = 0

Vamos dividir tudo por x 2 + y 2 :

I x , y - 3 x 2 + y 2 + ∂ I x , y ∂ y x 2 + y 2 - ∂ I x , y ∂ x x 3 + 3 x y 2 + 2 x y = 0

- 3 I x , y + ∂ I x , y ∂ y - ∂ I x , y ∂ x x 3 + 3 x y 2 + 2 x y x 2 + y 2 = 0

Aí que vem o pulo do gato! Eu posso dizer que I é uma função só de y , aí ∂ I x , y ∂ x = 0 . Assim:

- 3 I x , y + ∂ I x , y ∂ y = 0

- 3 I y + ∂ I y ∂ y = 0

ATENÇÃO! Nesse caso eu não poderia dizer que I é função só de x . Porque ∂ I x , y ∂ y daria zero, mas ainda teríamos x e y na nossa EDO, sacou? Na parcela x 3 + 3 x y 2 + 2 x y x 2 + y 2 . Fique atentx a isso nos exercícios.

E como I é função só de y , a derivada parcial vira uma derivada normal:

∂ I y ∂ y = d I ( y ) d y

Então:

- 3 I y + d I ( y ) d y = 0

d I ( y ) d y = 3 I ( y )

d I ( y ) I ( y ) = 3 d y

ln ⁡ I ( y ) = 3 y

I y = e 3 y

E substituindo na EDO original:

x 2 + y 2 d x + x 3 + 3 x y 2 + 2 x y d y = 0

e 3 y x 2 + y 2 d x + e 3 y x 3 + 3 x y 2 + 2 x y d y = 0

Que agora é uma EDO exata, aí você resolve normalmente.

Pronto! Agora é suave! Siga o passo-a-passo e detone os exercícios!

Expandir

Exercício Resolvido #1

CEFET, EDO, P1 2011, Professor Roberto de Sá, Questão 1 item c

Use o fator integrante μ ( x ) = x y para resolver:

1 x - sen ⁡ x y d x + 1 y d y = 0

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Galerinha, cuidado com essa questão! Ela é bacana porque ele já disse o fator integrante, assim nos dá menos trabalho, mas se liga, a gente usa fator integrante tanto pra EDO exata, quanto pra EDO linear de primeira ordem. A questão é, pra usar esse fator integrante, devemos resolver isso como uma edo exata/quase exata ou edo linear de primeira ordem? Esse é o tchã da questão!

Tem como arrumar essa edo e deixar ela com carão de EDO linear de primeira ordem sim! Mas po, ele já está com cara de edo exata, então vamos testar primeiro para ver se esse fator integrante pode ser usado para resolver edo exata/quase exata.

Então vamos lá, vamos por questão de costume, ver se essa EDO é exata:

M x , y = 1 x - sen ⁡ x y N x , y = 1 y

Fazendo o teste:

∂ M ∂ y = sen ⁡ x y 2

∂ N ∂ x = 0

Vemos que ∂ M ∂ y ≠ ∂ N ∂ x , logo ela não é uma EDO exata, vamos ver se esse fator integrante ajuda?!

Multiplicando essa EDO por x y :

x y 1 x - sen ⁡ x y d x + x y 1 y d y = 0

Assim fica:

y - x sen ⁡ ( x ) d x + x d y = 0

Vamos fazer o teste para ver se ficou exata!

M x , y = y - x sen ⁡ ( x )