Enunciado

Ver Outros Exercícios
desse livro

Nos Exercícios de 1 a 16, encontre os pontos de inflexão do gráfico da função dada, se existirem. Determine onde o gráfico é côncavo para cima e onde ele é côncavo para baixo. Faça um esboço do gráfico e mostre um segmento da reta tangente ao gráfico nos pontos de inflexão.

1 5 )   f x = t g x 2 ;     x ∈ ( - π , π )  

Passo 1

Para começar precisamos determinar os pontos de inflexão do gráfico, ou seja, o ponto onde a função muda a direção da concavidade. Para descobrir estes pontos o primeiro passo é descobrir a derivada segunda da nossa função:

f x = t g x 2

f ' x = 1 2 . s e c ² ( x 2 )

f ' ' x = 1 2 . s e c ²   x 2 . t g ( x 2 )

Uma vez descoberta a derivada segunda, os pontos de inflexão são caracterizados por f ' ' x = 0 .

Passo 2

Igualando f ' ' x = 0 :

1 2 . s e c ²   x 2 . t g ( x 2 ) = 0

Como:

sec ⁡ x 2 = 1 cos ⁡ ( x / 2 )

Esta função não poderá ser igualado a zero. Sendo assim nos resta analisar o termo tangente:

t g x 2 = 0

a r c   t g 0 = 0

Para que a função tangente seja igual a 0:

x 2 = 0 → x = 0

Para determinar se existe ou não um ponto de inflexão neste ponto, precisamos verificar se f ' ' x muda de sinal.

Sendo assim,   x = 0 é um ponto de inflexão.

Desenhando o gráfico da função e traçando as retas tangentes aos pontos de inflexão:

Resposta

Pontos de inflexão: x = 0 .

Exercícios de Livros Relacionados

Esboce o gráfico de cada uma das funções do exercício anterior.i) f x
Esboce o gráfico de cada uma das funções do exercício anterior.g) y =
Suponha que f ' ' x > 0 em a ,   + ∞ e que existe x 0 > a t
Seja f derivável até a 2 ª ª ordem em R e tal que, para todo x , x &nb
Sejam f uma função derivável até a 5 ª ª ordem no intervalo aberto I e