Responde Aí

Erro do Polinômio de Taylor

Ver Todos os Exercícios

Teoria

E aí, você chegou no Responde Aí. E agora vamos entender o Erro do Polinômio de Taylor pra que você não erre na prova!

Uma parte importante do polinômio de Taylor é entender que ele é uma aproximação, e, sendo uma aproximação, tem um erro. Agora ferrou, né? Qual erro do polinômio?

Estimando o Erro do Polinômio de Taylor

Na verdade não podemos achar esse erro, mas podemos estimá-lo com a fórmula:

Onde é um valor e

A gente sabe que quanto maior a ordem do polinômio, melhor o resultado! O que isso quer dizer é que quanto maior o polinômio, menor o erro.

E é isso que a fórmula diz pra gente! Polinômios de ordem alta vão ter baixo erro.

Exemplo

Determine o erro do polinômio de Taylor de grau 2 da função em torno do ponto . Aplique para quando

Passo 1: Sem perca de tempo, vamos aplicar os valores da primeira e segunda derivada para achar os termos do polinômio:


.

Passo 2: Para calcular o erro vamos aplicar a fórmula. Como o grau do polinômio é dois, então usaremos a terceira derivada no cálculo do erro.

A terceira derivada é . Aplicando , temos que . Logo:

Passo 3: Agora vamos analisar.

Primeiro temos que:

Como a derivada é crescente, então temos:

E isso nos diz que:

Logo:

Ou seja:

E olha que legal. Chegamos numa equação que permite que a gente avalie o erro do polinômio para qualquer valor de

Passo 4: Então agora vamos aplicar

Ou seja, o Erro do Polinômio de Taylor esta no intervalo:

Pra entender melhor, que tal dar uma olhada nesse vídeo que explica tudinho:

Massa! Agora que você é um fera de taylor, que tal conferir uns exercícios aqui em baixo 👇 😎

Exercícios Resolvidos

Exercício Resolvido #1

Utilizando polinômio de Taylor de ordem 2 , avalie o erro.

  cos ⁡ ( 0.2 )

Passo 1

Podemos considerar a função: f x = cos ⁡ ( x )

Nessas condições, um bom ponto para aproximar isso aí é o ponto x = 0 , já que f ( 0 ) está próximo de cos ⁡ ( 0.2 ) .

Para a ordem 2 pedida, o erro estará associado a ordem seguinte:

E x = f ' ' ' c 3 ! x 3

Passo 2

Para substituir, derivamos 3 vezes:

f ' x = - sin ⁡ x

f ' ' x = - cos ⁡ x

f ' ' ' x = sin ⁡ ( x ) ⟹ f ' ' ' c = sin ⁡ ( c )

Substituindo:

E x = sin ⁡ c 6 x 3

Para a distância escolhida:

E 0.2 = sin ⁡ c 6 0.2 3

Passo 3

Temos que 0 < c < 0.2 , então:

sin ⁡ 0 6 0.2 3 < E 0.2 < sin ⁡ 0.2 6 0.2 3

0 < E 0.2 < 0.000264892

É um erro bem, bem pequeno.

Resposta

0 < E 0.2 < 0.000264892

Exercício Resolvido #2

Seja f x = ln ⁡ ( 3 x + 1 ) , com x > - 1 3

a ) Determine o polinômio de Taylor de ordem 3 de f em torno do ponto x 0 = 0 .

b ) Usando o item ( a ) , calcule um valor aproximado para ln ⁡ ( 1,03 ) e para ln ⁡ ( 0,97 ) . Verifique que o erro em ambas as aproximações é menor do que 10 - 6 .

Passo 1

a ) Primeiro vamos achar o polinômio de grau 3 da função f x = ln ⁡ ( 3 x + 1 ) .

A primeira coisa que temos que fazer é achar as derivadas até ordem 3 da função f x :

f ' x = 3 x + 1 ' 3 x + 1 = 3 3 x + 1 = 3 3 x + 1 - 1

f ' ' x = 3 - 1 3 x + 1 - 1 - 1 . 3 x + 1 ' = - 3.3 3 x + 1   - 2 = - 9 3 x + 1 - 2

f ' ' ' x = - 9 - 2 3 x + 1 - 2 - 1 . 3 x + 1 ' = 18.3 3 x + 1   - 3 = 54 3 x + 1 - 3

Agora temos que achar essas derivadas no ponto que ele deu, além da própria função:

f 0 = ln ⁡ ( 3.0 + 1 ) = ln ⁡ 0 + 1 = ln ⁡ 1 = 0

f ' 0 = 3 3.0 + 1 - 1 = 3 1 - 1 = 3

f ' '   0 = - 9 3.0 + 1 - 2 = - 9 1 - 2 = - 9

f ' ' ' 0 = 54 3.0 + 1 - 3 = 54 1 - 3 = 54

Passo 2

Agora temos que achar cada termo da função:

f 0 = 0

f ' 0 x - 0 1 1 ! = 3 x - 0 1 ! = 3 x

f ' ' 0 x - 0 2 2 ! = - 9 x 2 2 ! = - 9 x 2 2

f ' ' ' 0 x - 0 3 3 ! = 54 x 3 3 ! = 54 x 3 6 = 9 x 3 = 9 x 3

Passo 3

O polinômio vai ficar:

P 3 x = 0 + 3 x - 9 x 2 2 + 9 x 3

P 3 x = 3 x - 9 x 2 2 + 9 x 3

Passo 4

b ) Vamos agora ao valor de ln ⁡ 1,03 . Repare que f x = ln ⁡ 1,03 , quando 3 x + 1 = 1,03

Então queremos o polinômio em x = 0,01 e não em x = 1,03 . Fique atento a isso, devemos sempre ver com cuidado o valor de x que devemos usar. Então, vamos fazer:

ln ⁡ 1,03 = f 0,01 ≅ P 3 0,01 = 3.0,01 - 9 0,01 2 2 + 9 . 0,01 3

ln ⁡ 1,03 ≅ P 3 0,01 = 0,03 - 9.0,0001 2 + 9.0,000001

ln ⁡ 1,03 ≅ P 3 0,01 = 0,03 - 0,0009 2 + 0,000009

ln ⁡ 1,03 ≅ P 3 0,01 = 0,03 - 0,00045 + 0,000009

ln ⁡ 1,03 ≅ 0,029559

Passo 5

Vamos agora ao valor de ln ⁡ 0,97 . Repare que f x = ln ⁡ 0,97 quando 3 x + 1 = 0,97 .

Então queremos o polinômio em x = - 0,01 e não em x = 0,97 :

ln ⁡ 0,97 = f - 0,01 ≅ P 3 - 0,01 = 3 . - 0,01 - 9 - 0,01 2 2 + 9 . - 0,01 3

ln ⁡ 0,97 ≅ P 3 - 0,01 = - 0,03 - 9.0,0001 2 + 9 . - 0,000001

ln ⁡ 0,97 ≅ P 3 - 0,01 = - 0,03 - 0,0009 2 - 0,000009

ln ⁡ 0,97 ≅ P 3 - 0,01 = - 0,03 - 0,00045 - 0,000009

ln ⁡ 0,97 ≅ - 0,030459

Passo 6

Vamos calcular o erro possível para isso agora. Primeiro vamos achar o termo do erro. Como temos um polinômio de grau 3 o erro vai ser o termo de ordem 4 :

E x = f i v c x - 0 4 4 !  

Para c entre 0 e x , vamos começar achando a derivada de f i v :

f i v x = 54 - 3 3 x + 1 - 3 - 1 . 3 x + 1 ' = - 162.3 3 x + 1 - 4 = - 486 3 x + 1 - 4

Vamos tomar essa derivada em c :

f i v c = - 486 3 c + 1 - 4

O erro vai ficar:

E x = - 486 3 c + 1 - 4 x 4 4 ! = - 486 3 c + 1 - 4 x 4 24 = - 81 4 3 c + 1 - 4 x 4

Passo 7

Vamos ver esse erro para os dois valores de x que temos. Primeiro para x = 0,01 :

E 0,01 = - 81 4 3 c + 1 - 4 0,01 4 = 81 4 10 - 8 3 c + 1 - 4

Vamos analisar esse erro. Repare que vamos ter:

0 < c < 0,01

0 + 1 < 3 c + 1 < 0,03 + 1

Como o expoente de 3 c + 1 é negativo, quando passarmos o expoente a ordem vai mudar:

1 - 4 > 3 c + 1 - 4 > 1,03 - 4

Vamos pegar aqui apenas o valor maior que é o que nos interessa. Saber que o erro é maior que algo não é tão útil assim.

1 > 3 c + 1 - 4

Multiplicando por 81 4 10 - 8 :

81 4 10 - 8 > 81 4 10 - 8 3 c + 1 - 4

E 0,01 < 81 4 10 - 8

Como queremos que apareça 10 - 6 vamos fazer:

81 4 < 100

81 4 10 - 8 < 100 . 10 - 8

81 4 10 - 8 < 10 - 6

Vamos ter:

E 0,01 < 81 4 10 - 8 < 10 - 6

Passo 8

Vamos ver esse erro para os dois valores de x que temos. Primeiro para x = - 0,01 :

E - 0,01 = - 81 4 3 c + 1 - 4 - 0,01 4 = 81 4 10 - 8 3 c + 1 - 4

Vamos analisar esse erro. Repare que vamos ter:

0 > c > - 0,01

Isso acontece porque temos um valor negativo de x :

0 + 1 > 3 c + 1 > - 0,03 + 1

Como o expoente de 3 c + 1 é negativo, quando passarmos o expoente, a ordem vai mudar:

1 - 4 < 3 c + 1 - 4 < 0,97 - 4

Vamos pegar aqui apenas o valor maior, que é o que nos interessa.

3 c + 1 - 4 < 0,97 - 4

Queremos um número nessa bagunça ,então repare que:

0,97 - 4 < 0,9 - 4 = 0,81 - 2 < 0,8 - 2 = 0,64 - 1 < 0,5 - 1 = 2

Então, vamos ter:

3 c + 1 - 4 < 2

Nós queremos um número, porque é mais fácil fazer essas contas com um número. A parada aqui é ir vendo coisas em comum. O objetivo é tentar chegar no bendito 0,5 - 1 .

Multiplicando por 81 4 10 - 8 :

2 81 4 10 - 8 > 81 4 10 - 8 3 c + 1 - 4

E - 0,01 < 81 2 10 - 8

Como vimos antes, vamos fazer:

81 2 < 100

Então:

E - 0,01 < 81 2 10 - 8 < 100 . 10 - 8

E - 0,01 < 10 - 6

Como queremos que apareça 10 - 6 vamos fazer:

0,97 >

Como vimos com potencia negativa essa desigualdade vira:

0,97 - 4 < 0,1 - 4

81 4 < 100

81 4 10 - 8 < 100 . 10 - 8

81 4 10 - 8 < 10 - 6

Resposta

P 3 x = 3 x - 9 x 2 2 + 9 x 3

ln ⁡ 1,03 ≅ 0,029559

ln ⁡ 0,97 ≅ - 0,030459

Exercícios de Livros Relacionados

Utilizando polinômio de Taylor de ordem 2, calcule um valor
Utilizando polinômio de Taylor de ordem 2, calcule um valor
Utilizando polinômio de Taylor de ordem 2, calcule um valor
Calcule um valor aproximado e avalie o erro. 32,002 5