Enunciado

Com a informação da tabela 2, estime a entalpia-padrão da reação 2:

N O 2 g → N 2 O 4 ( g )

A 100 ℃ , a partir do seu valor a 25 ℃ .

Passo 1

Fala jovenzito, tudo na paz?

Vamos pensar um pouco sobre o que esse exercício pede, há várias maneiras de resolvê-lo. Mas no tópico (a) vamos resolver da seguinte maneira.

Pensa assim, nas tabelas, a maioria considera a entalpia dos elementos a 25 ℃ , considerando que os ambientes e que é tudo controladinho...

Mas, na vida real não é assim que acontece.

Basicamente a entalpia a uma temperatura diferente, pode ser calculada assim:

∆ H x = ∆ H 25 ℃ + ∫ 25 x ∆ r C p ∆ T

Abrindo a integral, teremos:

∆ H x = ∆ H 25 ℃ + T ∆ r a + 1 2 T 2 ∆ r b - ∆ r c 298 K x

Podemos usar os valores de a , b , c tabelados. Ou podemos resolver utilizando o C p , que ficaria assim:

∆ H ( x ) = ∆ H T 1 + ∆ C p ( T 2 - T 1 )

Se:

∆ H 25 = ∆ H p r o d u t o s - ∆ H ( r e a g e n t e s )

E nesse segundo caso, o ∆ C p considera o C p dos dois gases, mais ou menos assim:

∆ C p = A C p p r o d u t o 1 + … - B C p r e a g e n t e 1 + … n

Sendo A e B os coefiecientes de multiplicação da reação e o C p tabelado.

Passo 2

No final do livro, temos a informação que :

C p N O 2 = 37,2   J . m o l - 1 K - 1

C p N 2 O 2 = 77,28 J . m o l - 1 K - 1

∆ H N O 2 = + 33,18   k J m o l - 1

∆ H N 2 O 2 = + 9,16 k J m o l - 1

Com isso, podemos aplicar na fórmula :

∆ H = ∆ H T 1 + ∆ C p ( T 2 - T 1 )

∆ H = ∆ H p r o d u t o s - ∆ H r e a g e n t e s + [ C p p r o d u t o - C p r e a g e n t e ] ( T 2 - T 1 )

Aplicando os valores, teremos:

∆ H = ∆ H p r o d u t o s - ∆ H r e a g e n t e s + [ C p p r o d u t o - C p r e a g e n t e ] ( T 2 - T 1 )

Divide por 1000 para acrescentar o quilo na resposta, beleza?

∆ H = 9,16 - 33,2 k J m o l - 1 + 77,28 - 2 37,2 J K - 1 m o l - 1 75 K 1000

∆ H = - 56,98   k J m o l - 1

Ufaaa, terminamos!

Resposta

∆ H = - 56,98   k J m o l - 1

Exercícios de Livros Relacionados

Calcule ∆ r H θ para a reação Z n s + C u s O 4 a q → Z n S O 4 a q + C u ( s ) a partir da informação da Tabela 2.7 na Seção de dados.
A entalpia-padrão da decomposição da grafita é - 395,41   K J   m o l - 1 . Calcule a entalpia da transição grafita   → diamante.
A entalpia-padrão de combustão do ciclopropano é - 2091   K J   m o l - 1 , a 25 °C. Com essa informação e também com os dados das entalpias de formação do C O 2 ( g ) e da H 2 O (...
Calcule a entalpia-padrão de solução do A g C l   ( s ) em água a partir das entalpias de formação do sólido e dos íons em solução aquosa.
Dadas as reações (1) e (2) a seguir, determine (a) ∆ r H θ e ∆ r U θ para reação (3), e (b) ) ∆ r H θ         do HI (g) e da H 2 O ( g ) , ambos a 298 K. 1 H 2 g + I 2 g → 2 H I g ...
Calcule a entalpia-padrão de solução do A g B r   ( s ) em água a partir das entalpias de formação do sólido e dos íons em solução aquosa.
Dadas as reações (1) e (2) a seguir, determine (a) ∆ r H θ e ∆ r U θ para reação (3), e (b) ) ∆ r H θ         do HCl (g) e da H 2 O ( g ) , ambos a 298 K. 1 H 2 g + C l 2 g → 2 H C...
A entalpia-padrão de formação do etilbenzeno é - 12,5   K J   m o l - 1 . Calcule a entalpia-padrão de combustão.
A entalpia-padrão de formação do fenol é - 165,0   K J   m o l - 1 . Calcule a entalpia-padrão de combustão.
A partir que são apresentados a seguir, determine a ∆ r H θ do diborano, B 2 H 6 ( g ) , a 298 K. 1   B 2 H 6 g + 3 O 2 g → B 2 O 3 s + 3 H 2 O g     ∆ r H θ = - 1941   K J   m o l...
A entalpia-padrão da decomposição do complexo amarelo H 3 N S O 2 em N H 3 e S O 2 é +   40 K J   m o l - 1 . Calcule a entalpia-padrão de formação do H 3 N S O 2 .
É possível investigar as propriedades termoquímicas dos hidrocarbonetos usando-se métodos de modelagem molecular. (a) Use um programa de estrutura eletrônica e estime os valores de...