Dependência Linear

Teoria Completa

Galera, esse conceito é muito importante, mas podem ficar tranquilos que é simples de entender!

Para gente saber se um conjunto de vetores é linearmente dependente (LD) ou linearmente independente (LI) é só ver se algum desses vetores é combinação linear dos demais. Se for uma combinação linear, o conjunto é LD. Caso contrário, o conjunto é LI!

Tá boiando ainda? Vamos dar uma olhada em um exemplo para você entender tudinho!

Se liga nesse conjunto de vetores:

1,1 , 1,0

Será que fazendo alguma C L , conseguimos gerar o vetor nulo? Vamos tentar equacionar isso:

a 1,1 + b 1,0 = 0,0 ⇒

a , a + b , 0 = 0,0 ⇒

a + b , a = 0,0

Montando o sistema:

a + b = 0 a = 0

Podemos ver que a = 0 e por consequência b = 0 .

Logo só existe um único jeito de gerar o vetor nulo, que é a = 0 e b = 0 e essa é a solução trivial! Quando o ÚNICO jeito de gerar o vetor nulo for com todos os coeficientes iguais a zero, o conjunto é L I !

Podemos também interpretar da seguinte forma:

OBS: Repare que na equação ( I ) o 0 é o VETOR NULO, logo ele é 0 = ( 0 , … , 0 ⏟ n   v e z e s ) ∈ R n . Já na equação ( I I ) 0 é um NÚMERO REAL, logo este é 0 ∈ R . Cuidado com o abuso de notação! ;)

Tá, mas e quando não acontece isso? A gente vai chamar o conjunto de vetores de Linearmente dependente ou LD para os íntimos.

Tá, agora vamos fazer alguns exemplos.

Exemplo: O conjunto 1,1 , 1 , 0,1 , 0 é L I ou L D ?

Vamos aplicar a definição:

a 1,1 , 1 + b 0,1 , 0 = 0 ⇒

a , a + b , a = 0 ⇒

a = 0 a + b = 0 ⇒ b = 0 a = 0

Como podemos ver, utilizando a definição, sempre acaba num sistema linear ai basta resolver ele achar valores para os coeficientes. No caso, achamos que a = b = 0 , ou seja, os coeficientes são sempre 0 !! E de acordo com a definição, os vetores são L I , pois os coeficientes são todos nulos.

Exemplo: o conjunto 1,0 , 0,1 , 2,2 é L D ou L I ?

Vamos equacionar!

a 1,0 + b 0,1 + c 2,2 = 0 ⇒

a + 2 c , b + 2 c = 0

Igualando os vetores e montando o sistema:

a + 2 c = 0   ( I ) b + 2 c = 0   ( I I )

Se fizermos I - ( I I ) , temos:

a - b = 0 ⇒

a = b

Ainda não terminou, temos que substituir em alguma das outras equações para ver as relações com o coeficiente c , afinal tudo tem que estar em função de uma mesma constante. Vamos substituir na ( I I ) :

b + 2 c = 0 ⇒

a + 2 c = 0 ⇒

a = - 2 c

Tá, então achamos que:

a = b   e   a = - 2 c ∴

b = - 2 c

Que resposta confusa! O que isso quer dizer?

Isso significa que se pegarmos a = - 2 c e b = - 2 c e substituirmos em a 1,0 + b 0,1 + c 2,2 = 0 , teremos sempre o vetor nulo. Olha só:

a + 2 c , b + 2 c = 0 ⇒

- 2 c + 2 c , - 2 c + 2 c = 0 ⇒

0,0 = 0

Então, se, por exemplo, c = 1 , basta que a = b = - 2 . Assim, nossa equação ficaria:

- 2 1,0 + ( - 2 ) 0,1 + 1 2,2 = 0

Mas poderíamos multiplicar a equação por qualquer constante! Como, por exemplo, por 3:

- 6 1,0 + ( - 6 ) 0,1 + 3 2,2 = 0

Logo, temos infinitas possibilidades de gerar o vetor nulo! Isso quer dizer que o nosso conjunto é L D .

Outro jeito de pensar em dependência linear é: “Um conjunto é L D se existem infinitos coeficientes reais que GERAM O VETOR NULO”

Métodos práticos

Pô, meio complicado esse último exemplo, não? É verdade, existem jeitos mais práticos de ver se um conjunto é L I ou L D . Um deles é o fato abaixo:

Fato: Um conjunto de vetores é L D se, e somente se, algum dos seus vetores é C L dos demais.

Assim, no exemplo anterior bastava olha que:

2,2 = 2 1,0 + 2 0,1

E pronto, o conjunto é L D .

Existem dois métodos práticos que vão nos ajudar muito a verificar se um conjunto de vetores é L I ou L D .

  1. Verificar no olho qual vetor é C L dos demais. OBS: normalmente é o jeito mais rápido.
  2. Verificar os zeros nas coordenadas dos vetores.

Esses dois usam o fato que acabei de mencionar acima, pois se você já descobrir quem é C L dos demais então já podemos dizer que o conjunto é L D . Se não conseguir achar nenhum vetor assim, então o conjunto é L I .

Exemplo: O conjunto 1,0 , 0 , 0,1 , 1 , 1,1 , 1 é L I ou L D ?

Podemos ver que:

1,1 , 1 = 1,0 , 0 + 0,1 , 1

Então, o terceiro vetor é uma C L dos demais e o conjunto é L D .

Exemplo: O conjunto { 1,1 , 1 , ( 0,0 , 0 ) } é L D ou L I ?

Aí vai uma dica. Repara que tem o vetor nulo né? Antes de botar numa matriz e escalonar, vamos usar a definição:

a 1,1 , 1 + b 0,0 , 0 = 0 ⇒

a 1,1 , 1 = 0 ⇒

a = 0 a = 0 a = 0

Agora você vai e pensa, ahhh então todos os coeficientes são zero, logo o conjunto é L I .

Vê ali em cima, que o b multiplicou o vetor nulo, e quando a gente somou ele sumiu, MAS ISSO NÃO QUER DIZER QUE ELE É ZERO! Quer dizer que ele é qualquer coisa, então temos infinitas possibilidades para b E POR ISSO O CONJUNTO É L D !

Então sempre que tiver o vetor nulo ele será L D , porque vai sempre acontecer a mesma coisa que fizemos ali em cima.

Exemplo: O conjunto 0,500,2 , 3,0 , 100,0 , 1,0 , 0,0 , 0,0 , 0 , 0,0 , 0,0 , 0,0 , 1 é L I ou L D ?

Caramba quantas coordenadas como vou verificar isso???

Repara só o zero nas coordenadas desses vetores. O vetor 0,500,2 , 3,0 , 100,0 possui zero na primeira, quinta e ultima coordenada. E coincidentemente os outros dois vetores possuem zero em todos as suas coordenadas exceto a primeira e a ultima, que é aonde o vetor 0,500,2 , 3,0 , 100,0 possui zeros. Logo, nenhum vetor consegue gerar o outro, pois não importa o múltiplo que você pegue o primeiro vetor só possui números, sem ser o zero, aonde os outros não tem, e o mesmo vale apara os vetores 1,0 , 0,0 , 0,0 , 0 , 0,0 , 0,0 , 0,0 , 1 . E assim, o conjunto é L I .

Vamos dar uma olhada nos exercícios para ficar tudo show de bolinhas??

Expandir

Exercício Resolvido #1

Marco Cabral e Paulo Goldfeld, Curso de Álgebra Linear Fundamentos e Aplicações, 3ª Ed., Rio de Janeiro, Instituto de Matemática, 2012, pp. 24 – Prob. 1.14

Determine por inspeção se é L I :

a   1,2 , 2,3 , 2,4 , 4,5

b   - 1,2 , 1 , - 3 , 3 , - 6 , - 3,9

c   1,2 , 2,1 , 3,3

d   1,2 , 3,4 , 5 , 0,0 , 0,0 , 0 , 5,4 , 3,2 , 1

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Letra ( a )

Como podemos ver o segundo vetor é quase o primeiro, pois se multiplicarmos o primeiro por 2 , teremos:

2 1,2 , 2,3 = 2,4 , 4,6

E como as três primeiras coordenadas ficaram iguais, caso forcemos a ultima coordenadas ser 5 , as outras três ficarão diferentes. Então, podemos afirmar que não existe um jeito de forçar o vetor ( 1,2 , 2,3 ) de ficar com as coordenadas iguais ao ( 2,4 , 4,5 ) , sendo multiplicado por um numero apenas. Logo é conjunto é L I .

Letra ( b )

Bom, se multiplicarmos o primeiro vetor por - 3 ele dá exatamente o segundo vetor e, portanto vemos que ambos são múltiplos. Logo o conjunto é L D .

Passo 2

Letra ( c )

Podemos ver que se somarmos os dois primeiros vetores desse conjunto, teremos:

1,2 + 2,1 = 3,3

Que dá exatamente o terceiro vetor e, portanto, o conjunto é L D .

Letra ( d )

Opa, viu o vetor nulo, não precisa nem pensar! Já sabe que o conjunto é L D !

Resposta

a   Sim

b   Não

c   Não

d   Não

Exercício Resolvido #2

Alfredo Steinbruch e Paulo Winterle, Álgebra Linear, 2ª ed., São Paulo, Pearson, 1987, pp. 95 – Ex. 51

Determinar o valor de k para que seja L I o conjunto abaixo:

{ - 1,0 , 2 , 1,1 , 1 , k , - 2,0 }

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Para que o conjunto seja, L I devemos fazer a C L :

a - 1,0 , 2 + b 1,1 , 1 + c k , - 2,0 = 0

E achar que a = b = c = 0 .

- a + b + c k = 0 ⇒ b 2 + b + b 2 k = 0 ⇒ b + 2 b + b k = 0 ⇒ 3 b + b k = 0 ⇒ b 3 + k = 0 b - 2 c = 0 ⇒ c = b 2 2 a + b = 0 ⇒ a = - b 2

Como podemos ver acabamos chegando em b 3 + k = 0 . E isso é igual a zero quando:

b = 0   o u   k = - 3

Se b = 0 , então por consequência a = c = 0 , já que estes estão em função de b . E sendo assim, como a = b = c = 0 , o conjunto seria L I , independente do valor de k ! De outro modo, b poderia assumir qualquer valor, pois k = - 3 seria responsável por zerar o produto mostrado.

Assim, podemos concluir que o conjunto é L I para k ≠ - 3

Resposta