Enunciado

Siga os passos indicados aqui para deduzir a equação de movimento de um pêndulo, Eq. (12) no texto. Suponha que a barra do pêndulo é rígida e sem peso, que a massa é pontual e que não existe atrito ou resistência em nenhum ponto do sistema.

  1. Suponha que a massa está em uma posição deslocada arbitrária, indicada pelo ângulo θ . Desenhe um diagrama mostrando as forças que agem sobre a massa.
  2. Aplique a lei do movimento de Newton na direção tangencial ao arco circular sobre o qual a massa se move. Então, a força de tensão sobre a barra não aparece na equação. Note que é necessário encontrar a componente da força gravitacional na direção tangencial. Note também que a aceleração linear, em oposição à aceleração angular, é L d 2 θ / d t 2 , em que L é o comprimento da barra.
  3. Simplifique o resultado obtido no item (b) para obter a Eq. (12) do texto.

Passo 1

Para resolvermos esse problema vamos analisar as informações dadas no enunciado e tentar descrever uma equação que satisfaça todos os requisitos do problema. Depois vamos aplicar as condições de contorno de cada item para encontrar as informações pedidas. Vamos juntos para resolver!!

Passo 2

  1. Passo 3

  2. Bom, vamos lá. Já que infelizmente o problema nos pede para aplicar a lei de Newton na tangencial, temos que será preciso aplicar uma mudança de variáveis. Agora nossas duas coordenadas serão r , θ . Temos que a lei de Newton nos diz que
  3. ∑ F = m ⋅ a

    Nessas novas coordenadas será algo parecido

    ∑ F θ = m ⋅ a θ

    Onde a θ é a aceleração tangencial. Por sorte o próprio enunciado já nos diz qual é essa aceleração. Substituindo então ficamos com

    ∑ F θ = m ⋅ L ⋅ d 2 θ d t 2

    Outra coisa importante que o enunciado nos diz é que a única forção que aparece na componente tangencial é a peso, então temos que

    P θ = m ⋅ L ⋅ d 2 θ d t 2

    Se observarmos a projeção na componente tangencial, veremos que a componente da peso que será usada será a oposta ao ângulo, assim temos que:

    - m ⋅ g ⋅ sin ⁡ θ = m ⋅ L ⋅ d 2 θ d t 2

    Que é nossa equação

    Passo 4

  4. Se rearranjarmos os termos, dividirmos tudo pela massa e por L , chegaremos que

d 2 θ d t 2 + g L ⋅ sin ⁡ θ = 0

Resposta

(b) - m ⋅ g ⋅ sin ⁡ θ = m ⋅ L ⋅ d 2 θ d t 2

(c) d 2 θ d t 2 + g L ⋅ sin ⁡ θ = 0

Exercícios de Livros Relacionados

O semicírculo com diâmetro P Q está sobre um triangulo isósceles P Q R para formar uma região com um formato de sorvete, conforme mostra a figura. Se A ( θ ) for a área do semicírc...
46. Determine as forças no elemento G C da treliça e indique que se ele está sob tração ou compressão.
Calcule o centroide da área a seguir em termos das variáveis dos raios:
Considere o trilho de uma estrada de ferro reta e horizontal com um vagão ferroviário de 50000kg se deslocando ao longo da linha férrea a uma velocidade constante de 15m/s. Determi...
Uma correia feita de material isolante, com 50   c m de largura, se move a uma velocidade de 30   m / s . A carga que a correia transporta até um aparelho de laboratório correspond...
Se A for uma matriz m × n e se o sistema linear A x = b for consistente com qualquer vetor b em R m , o que pode ser dito sobre a imagem de T A : R n → R m ?
(Requer cálculo) Seja V o espaço vetorial das funções reais com derivadas continuas de todas as ordens no intervalo   - ∞ ,   ∞ e W = F ( - ∞ ,   ∞ ) o espaço vetorial de todas as ...
Calcule a integral. ∫ z 3 e z   d z
Seja E uma matriz elementar 2 × 2 fixada. Decida se a fórmula T A = E A define um operador linear injetor de M 2 × 2 . Explique seu raciocínio.
Seja a um vetor em R 3 fixado. Decida se a fórmula T v = a × v define um operador linear injetor de R 3 . Explique seu raciocínio.
Em cada parte, determine se a multiplicação por A é uma transformação linear injetora. A = 1 - 2 2 - 4 - 3 6 A = 1 3 5 7 2 - 1 2 4 - 1 3 0 0 A = 4 - 2 1 5 5 3
Escreva cada combinação de vetores como um único vetor. P Q → + Q R → R P → + P S → Q S → - P S → R S → + S P → + P Q →