Equilíbrio em duas Dimensões

Ver Todos os Exercícios

Teoria

Introdução

Agora vamos falar sobre algo chamado Equilíbrio... Mas para que serve isso?

Imagine uma tábua de peso desprezível que pode girar com relação a um pino posicionado na metade do seu comprimento. Aí você resolve colocar um bloco de 10   k g em uma das extremidades dessa tábua. O que irá acontecer com ela?

Ela vai cair para o lado mais pesado, certo? Isso acontece porque na sua outra extremidade não tem nada para compensar o peso do bloquinho que colocamos.

Agora você quer que está tábua fique em equilíbrio... O que é preciso fazer? Colocar um bloco de mesmo peso na outra extremidade, certo?

Mas e seu eu mudar o apoio de lugar:

Qual é a nova massa que o bloquinho rosa deve ter para que a tábua não gire em torno do pino?

Calma! É isso que vamos aprender neste tópico, partiu?

O Diagrama de Corpo Livre

O primeiro passo para resolver qualquer questão de equilíbrio é fazer o diagrama de corpo livre, também conhecido por DCL. Mas como faço esta coisa? É só você olhar para o seu problema e isolar o corpo principal, aquele que está sofrendo a ação de várias forças. O diagrama deve mostrar todas as forças que atuam no corpo.

Vamos montar o diagrama de corpo livre da nossa tábua lá de cima. Primeiro temos que identificar qual é o corpo principal: neste nosso caso é a própria tábua, ela que está sofrendo a ação das forças peso dos bloquinhos:

Repare que os bloquinhos foram retirados e no seu lugar foi colocada a força que cada um deles faz na tábua, essas forças são o próprio peso dos bloquinhos.

Mas eu não disse que tem que representar apenas o corpo principal do problema e retirar todos os outros? E o que esse apoio está fazendo ali? Calma, temos que retirar ele também e colocar no lugar a força que o apoio faz na tábua:

Repare que cada elemento que você retirar do problema você tem que substituir por uma força. Mas em que posição do corpo eu coloco a força?

O centro de massa ( C ou C M ) é o ponto de um corpo que, para fins de cálculo, pode ser considerado como aquele que contêm toda a massa do corpo, por isso, podemos representar as forças no centro de massa das figuras.

Observação: você pode encontrar por aí a definição centro de gravidade. Geralmente em cursos de Mecânica Básica, como aqui, os dois pontos são o mesmos: C G = C M .

Percebam que as forças peso atuam co centro de gravidade dos nossos bloquinhos.

Então, podemos entender o diagrama de corpo livre como uma maneira de limpar o nosso desenho e enxergarmos o que está acontecendo no corpo principal.

Tipos de Apoios e suas Reações

O apoio é o que sustenta a estrutura e a impede de se movimentar em certas direções. Toda vez que você impede uma estrutura de se movimentar em uma direção surge o que chamamos de reação de apoio. Existem vários tipos de apoios e para cada um vai surgir alguma reação de acordo com a direção em há o impedimento de movimento. Vamos ver os principais:

  • Apoio Deslizante: permite que a estrutura se mova na direção em que o carrinho rola, mas impede o movimento na outra direção:
  • Essas são as formas possíveis que esse apoio pode aparecer para você, todas essas imagens representam a mesma coisa!!!

    Além disso, repare que no nosso exemplo temos esse mesmo tipo de apoio!

    Repare que esse apoio permite o movimento na horizontal, mas impede o movimento na vertical. Então, a reação de apoio vai estar na direção em que há impedimento do movimento. Dessa forma, para montar o diagrama de corpo livre é só retirar o apoio e colocar a reação vertical:

    E se o apoio estiver assim na vertical?

    Neste caso, o apoio permite que a barra se mova na vertical, mas impede que ela se mova na horizontal. Então, o diagrama de corpo livre fica assim:

    Fica ligado nisso aí!!!

  • Pinos: esses apoios impedem que a estrutura se mova tanto na vertical quanto na horizontal, mas permitem que ela gire em torno dele:
  • Como esses apoios impedem o movimento nas duas direções, o diagrama de corpo livre fica:

  • Apoio fixo ou engaste: este apoio impede o movimento nas direções horizontal e na vertical e também impede que a barra gire em torno dele:

As reações de apoios surgem devido ao impedimento do movimento, então o diagrama de corpo livre fica:

Esse momento M → surge devido ao apoio impedir que a estrutura gire.

Condições de Equilíbrio

Uma estrutura está em equilíbrio estático quando a resultante de todas as forças horizontais, verticais e dos momentos são nulas:

∑ F → x = 0 →

∑ F → y = 0 →

∑ M → = 0 →

Isso acontece porque não podemos ter nenhuma aceleração que promova movimentos de translação ou rotação.

Aqui repare que podemos utilizar a equação do momento para resolver o problema proposto lá do início. Vamos fazer isso aplicando o somatório dos momentos em relação a um certo ponto:

Lembre-se que

P = m g

Então temos P 1 = 10 g e queremos achar P 2 . Logo, faz sentido colocar o ponto de aplicação do momento exatamente no ponto de apoio:

Por que isso faz sentido? Porque a força R não irá gerar momento com relação a esse ponto, o que é bom já que não sabemos o valor de R . Dessa forma vamos ter:

∑ M a p o i o = 0

Vamos considerar o sentido anti-horário positivo:

P 1 × 1 - P 2 × 3 = 0

Substituindo os valores de P 1 e P 2 :

10 g × 1 - m g × 3 = 0

m = 10 g 3 g = 3,33   k g

Resolvemos o nosso problema!

Vamos fazer uns exercícios para treinar e pegar o jeito!!!

Tipos de Apoios e suas Reações

Condições de Equilíbrio

Exercícios Resolvidos

Exercício Resolvido #1

O suporte deslizante é usado para apoiar partes de chapas longas enquanto elas são cortadas por uma série de bancadas. Se a chapa exerce uma força direcionada para baixo de 25   N no rolete C , determine as ações verticais em A   e   D . Note que a conexão em B é rígida e que os pés A   e   D são tubos horizontais razoavelmente longos, com recobrimentos deslizantes.

Passo 1

Fala aí, pessoal!! Vamos entender primeiro o que está acontecendo nessa situação aqui. O suporte deslizante descrito no problema é o próprio conjunto A B C D , que desliza no ponto C através de um rolete.

Como as barras A B e B D são “razoavelmente longas” podemos aproximar as reações em A e D para forças verticais, como sugerido no enunciado.

Sabendo disso podemos fazer o sistema de forças, que é dado abaixo:

Passo 2

Temos que satisfazer a duas condições:

∑ M → = 0  

E:

  ∑ F → = 0

Para o caso dos momentos, vamos escolher o ponto A , assim não precisamos trabalhar com R → A de cara, pois esta força não tem braço de alavanca com relação ao ponto A .

Perceba que a distância da força de 25   N até A vale 235   m m e a distância da força R → D vale 355   m m .

Adotando o sentido anti-horário como positivo, vamos ter que :

R D . 355 - 25 . 235 = 0         →       R D = 16,55   N

Passo 3

Show de bola!

Agora, para achar R → A vamos calcular momentos de novo?

Não!!! Vamos fazer uma coisa mais simples usando a outra condição:

∑ F y → = 0

R A + R D - 25 = 0

Substituindo o valor de R D :

R A + 16,55 - 25 = 0

R A = 8,45   N

Resposta

R A = 8,45   N

R D = 16,55   N

Exercício Resolvido #2

O centro de massa G do carro de motor traseiro e com 1400   k g está localizado como mostrado na figura. Determine a força normal sob cada pneu quando o carro está em equilíbrio. Descreva qualquer hipótese feita.

Passo 1

O sistema acima pode ser desenhado assim:

Onde, P → é a força peso, N → f é a força normal na roda da frente e N → t é a força normal na roda de trás.

Mas por que colocamos 2 N f e   2 N t ? Porque o carro tem quatro rodas e cada roda tem a sua força normal. Então, admitimos que o carro é simétrico e que a outra metade dele vai ter a mesma configuração de forças.

Passo 2

O carro possui 1400   k g , então o módulo da força peso será:

P = 1400 9,81     →           P = 13734   N

Agora vamos fazer o equilíbrio dessas forças:

∑ F → y = 0       →       2 N f + 2 N t - 13734 = 0

2 N f + 2 N t = 13734

Precisamos de outra equação para resolver o problema. Vamos fazer o somatório de momentos com relação ao ponto A indicado na figura abaixo:

O equilíbrio de momentos em relação ao ponto F nos dá:

∑ M → A = 0

- 13734 1,386 + 2 N t 1,386 + 0,964 = 0

N t = 4050   N

Voltando para a equação do equilíbrio das forças, podemos substituir o valor de N t que achamos:

2 N f + 2 4050 - 1400 9,8 = 0

N f = 2820   N

Resposta

N t = 4050   N

N f = 2820   N

Exercício Resolvido #3

A viga em I uniforme e com 450   k g sustenta a carga mostrada. Determine as reações nos apoios.

Passo 1

Nesse caso, temos que satisfazer a duas condições:

∑ M → = 0 →

∑ F → y = 0 →

Perceba que a soma das forças horizontais tem que ser nula, já que a viga está presa:

∑ F → x = 0 →

E as forças têm a seguinte orientação:

Certo? Não, faltou o peso da própria barra:

Passo 2

Vamos primeiro fazer o somatório de momentos usando o ponto A como referência e considerando o sentido anti-horário como positivo:

- P B 4 - P 5,6 + R B 5,6 + 2,4 = 0

Sendo que os pesos são:

P B = m g = 450 ( 9,8 1 ) = 4415   N

P = m g = 220 ( 9,8 1 ) = 2158   N

Substituindo isso na nossa equação, vamos ter que:

- 4414,5 4 - 2158,2 5,6 + R B 8 = 0

R B = 4415 4 + 2158   5,6 8

R B = 3718   N

Passo 3

Agora vamos para a segunda condição:

∑ F → y = 0 →         →       R A + R B - P B - P = 0

R A + 3718 - 4415 - 2158 = 0

R A = 2855   N

Resposta

R A = 2855   N

R B = 3718   N

Exercício Resolvido #4

Calcule o módulo da força suportada pelo pino em B no dispositivo em curva, carregado e apoiado como mostrado.

Passo 1

Aqui vamos ter que atender a três condições:

∑ F → x = 0 →

∑ F → y = 0 →

∑ M → = 0 →

Passo 2

A forças de reação em A e B tem uma forma dada por:

Perceba que a componente A → x da reação em A é nula. Isso se deve ao fato de que o apoio em A é um apoio deslizante, ou seja, não há o impedimento desse apoio de se mover na horizontal. E não se esqueça: só colocamos reação de apoio na direção onde há impedimento do movimento.

Sendo assim, já descobrimos quanto vale B → x :

∑ F → x = 0 →

B x - 120 = 0       →       B x = 120   N

Passo 3

Agora vamos fazer o seguinte: calcular o equilíbrio de momentos em relação ao ponto B .

Vamos considerar o sentido anti-horário como o positivo:

∑ M → = 0 →

20 + 120 0,05 - A y 0,125 = 0

Não pode esquecer de contabilizar o momento de 20   N ⋅ m que já tinha na estrutura.

Então, obtemos o seguinte:

A y = 208   N

Passo 4

Agora, usando o somatório de forças verticais:

∑ F → y = 0 →

A y - B y = 0       →       B y = 208   N

Passo 5

Sendo assim, o módulo de B → será:

B → = B x 2 + B y 2 = 120 2 + 208 2 = 240   N

Resposta

B → = 240   N

Exercício Resolvido #5

Calcule as forças e o momento de reação na base aparafusada O da estrutura de sinal de trânsito suspenso. Cada sinal tem uma massa de 36   k g , enquanto que as massas dos elementos O C e A C são 50   k g e 55   k g , respectivamente.

Passo 1

O diagrama de corpo livre pode ser representado por:

Passo 2

Vamos calcular as forças peso que estão no diagrama:

P S = 36 9,81       →           P S = 353   N

E vetorialmente, temos que a força peso do sinal aponta para baixo, então:

P → S = - 353 j ^   N

A força peso da barra O C é:

P O C = 50 9,81       →           P O C = 491   N

E o vetor é:

P → O C = - 491 j ^   N

E por último o peso da barra A C :

P A C = 55 9,81       →           P A C = 540   N

Transformando em vetor temos:

P → A C = - 540 j ^   N

Passo 3

Agora vamos achar as reações de apoio. Perceba que o apoio é um engaste, pois a estrutura não pode se movimentar em nenhuma direção e nem girar. Inclusive foi dito no enunciado que a base é aparafusada.

Vamos começar usando o equilíbrio de momentos em relação ao ponto O e considerando o sentido de giro anti-horário como positivo, temos:

∑ M → O = 0 →      

- M + P S 10 + P S 5 + P A C 4 = 0

Repare que a força P → O C não tem braço de alavanca com relação ao ponto O . Então, vamos substituir os valores:

- M + 353 10 + 353 5 + 540 4 = 0

M = 7455   N ⋅ m

Esse momento é positivo, ou seja, ele gira no sentido horário.

Passo 4

Perceba que não há forças horizontais além da reação de apoio O → x , então:

∑ F → x = 0 →

O x = 0

Agora vamos fazer o equilíbrio das forças verticais:

∑ F → y = 0 →      

  O y - P S - P S - P O C - P A C = 0

O y - 353 - 353 - 491 - 540   = 0

O y = 17 36   N

Resposta

O x = 0