Classificação de Pontos Críticos no R²

Teoria Completa

Agora chegou a hora de ver pra que diabos serve achar os pontos críticos de uma função. Assim como para funções de uma variável, isso vai servir pra achar os extremos da função.

Para uma variável, tínhamos três possibilidades quando a derivada era zero: máximo, mínimo ou ponto de inflexão (nem máximo nem mínimo), certo?

E aí fazíamos o teste da derivada segunda. Dependendo do sinal da derivada segunda, dava pra saber qual dessas opções era o caso.

Agora, temos um novo teste da derivada segunda. Ele vai ser nosso meio de classificar pontos críticos de funções de 2 variáveis.

Nosso teste da derivada segunda consiste, agora, em calcular o determinante da matriz hessiana, no ponto crítico P 0 de interesse e analisar o seu sinal.

Mas que diabos é matriz hessiana? É uma matriz 2 x 2 com as derivadas de segunda ordem da função.

Então o que temos que fazer é calcular:

H P 0 = f x x P 0 f x y P 0 f y x P 0 f y y P 0

Chamamos esse determinante de hessiano, por isso a letra H .

Ou seja: H P 0 = f x x P 0 f y y P 0 - f x y P 0 f y x P 0

Agora, dependendo do caso, o ponto pode ser um ponto de máximo, mínimo ou ponto de sela (nem máximo nem mínimo). Assim:

H P 0 > 0 ⟶ P 0 é ponto de máximo ou mínimo

Se f x x P 0 > 0 ⟶ P 0 é ponto de mínimo

Se f x x P 0 < 0 ⟶ P 0 é ponto de máximo

H P 0 < 0 ⟶ P 0 é ponto de sela

H P 0 = 0 ⟶ não se sabe

Por exemplo, para classificar os pontos críticos de

f x , y = 1 - x 2 - y 2

Primeiro temos que achar seus pontos críticos, igualando suas derivadas parciais a zero:

- 2 x ,   - 2 y = 0 ,   0

⇒ x ,   y = 0 ,   0

Portanto, o único ponto crítico da f é o ponto 0 ,   0 .

Calculando derivadas segundas e substituindo em P 0 = ( 0,0 ) :

f x x = ∂ ∂ x - 2 x = - 2

f y y = ∂ ∂ y - 2 y = - 2

f x y = f y x = ∂ ∂ y - 2 x = 0

Repare que as derivadas segundas são constantes, elas não dependem das coordenadas do ponto. Mas se dependessem, era só fazer x , y = P 0

Calculando H P 0 :

H P 0 = f x x P 0 f x y P 0 f y x P 0 f y y P 0 = - 2 0 0 - 2

⇒ H P 0 = - 2 - 2 - 0 0 = 4

Como H P 0 > 0 , então este é um ponto de máximo ou mínimo. Para saber, basta analisar o sinal de f x x P 0 . Temos que f x x P 0 < 0 , então este é um ponto de máximo.

Aqui o gráfico da função:

De fato podemos ver que o ponto 0 ,   0 é um ponto de máximo!

Método alternativo

Vamos dar uma olhada numa outra maneira de classificar pontos críticos de 2 variáveis. Se sua faculdade não cobra isso fique à vontade pra pular essa parte! ;)

Esse método envolve álgebra linear. Primeiro nós montamos a matriz hessiana do ponto crítico que estamos estudando, que nem fizemos agora a pouco. Mas agora vamos nos interessar nos autovalores dessa matriz hessiana:

  1. Se todos os autovalores são positivos então temos um ponto de mínimo
  2. Se todos os autovalores são negativos então temos um ponto de máximo
  3. Se os autovalores alternam entre positivos e negativos então temos um ponto de sela

Show? Vamos verificar pro exemplo lá de cima!

Achamos um único ponto crítico, 0 ,   0 , e sua matriz hessiana é:

- 2 0 0 - 2

Vamos agora calcular os autovalores λ dela. Para isso, precisamos resolver o determinante da matriz hessiana subtraída da matriz identidade, multiplicada por λ , e igualar esse determinante a zero. Ou seja:

det ⁡ H ( P 0 ) - λ I = 0

det ⁡ - 2 0 0 - 2 - λ 0 0 λ = - 2 - λ 0 0 - 2 - λ = 0

- 2 - λ - 2 - λ = 0

⇒ - 2 - λ = 0

⇒ λ 1 = λ 2 = - 2

Como temos dois autovalores negativos esse é um ponto de máximo. Que nem achamos antes!

Expandir

Exercício Resolvido #1

Diomara Pinto e Maria Cândida Ferreira Morgado, Cálculo Diferencial e Integral de Funções de Várias Variáveis, 3ª ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009, exemplo 4.4, p.131 (modificado)

Seja f x , y = 1 - x 2 + 4 x y - y 2 . Identifique e classifique o(s) ponto(s) crítico(s) de f .

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Calcular gradiente:

∇ f x , y = ∂ f ∂ x , ∂ f ∂ y

⇒ ∇ f x , y = - 2 x + 4 y ,   4 x - 2 y

Passo 2

Encontrar pontos críticos:

∇ f = 0 →

⇒ - 2 x + 4 y ,   4 x - 2 y = 0,0

Passo 3

Igualando as coordenadas:

- 2 x + 4 y = 0   4 x - 2 y = 0

Dividindo tudo por 2:

- x + 2 y = 0   2 x - y = 0

Pela segunda equação:

y = 2 x

Substituindo na primeira equação:

- x + 2 2 x = 0

⇒ x = 0

Pela segunda equação novamente:

y = 0

Então:

x = 0   y = 0

Então o único ponto crítico é 0,0 .

Passo 4

Vamos analisar que tipo de ponto crítico é este:

P 0 = 0,0

Calculando derivadas segundas:

f x x = ∂ ∂ x ∂ f ∂ x = ∂ ∂ x - 2 x + 4 y = - 2

f y y = ∂ ∂ y ∂ f ∂ y = ∂ ∂ y 4 x - 2 y = - 2

f x y = ∂ ∂ x ∂ f ∂ y = ∂ ∂ x 4 x - 2 y = 4

Passo 5

Calculando essas derivadas no ponto P 0 = 0,0 :

f x x P 0 = - 2

f y y P 0 = - 2

f x y P 0 = 4

Passo 6

Calculando H P 0 :

H P 0 = f x x P 0 f x y P 0 f y x P 0 f y y P 0

⇒ H P 0 = - 2 4 4 - 2

⇒ H P 0 = - 2 - 2 - 4 4

⇒ H P 0 = 4 - 16

⇒ H P 0 = - 12

Como H P 0 < 0 , então este é um ponto de sela.

Resposta

A função tem um ponto de sela em 0,0 .

Exercício Resolvido #2

Cálculo 2 UNICAMP, Exame 2014 Noite, questão 2

Determine e classifique o(s) ponto(s) crítico(s) da função

f x , y = x y + 2 x - ln ⁡ x 2 y .

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Assim que a gente vir essas palavrinhas mágicas, “classifique os pontos críticos”, o nosso reflexo tem que ser: calcular as derivadas parciais, igualá-las a 0 e depois mandar ver no teste da derivada segunda! Então vamos fazer isso, começando pelas derivadas parciais!

Usando a regra da cadeia:

∂ f ∂ x x , y = y + 2 - 1 x 2 y ∙ 2 x y = y + 2 - 2 x

∂ f ∂ y x , y = x + 0 - 1 x 2 y ∙ x 2 = x - 1 y

Passo 2

Show! Agora vamos igualar essas derivadas a 0:

y + 2 - 2 x = 0 x - 1 y = 0

Da segunda equação, tiramos

x = 1 y

Substituindo na primeira, vai dar:

y + 2 - 2 1 y = y + 2 - 2 y = 2 - y = 0

⇒ y = 2

⇒ x = 1 2

Beleza, então f só tem um ponto crítico, o ponto 1 2 , 2 .

Passo 3

Agora só resta classificar esse ponto crítico, usando o teste da derivada segunda, então vamos calcular as derivadas segundas! Lembrando que f x x , y = y + 2 - 2 x e f y x , y = x - 1 y . Assim,

f x x x , y = 0 + 0 - 2 . - 1 x 2 = 2 x 2

⇒ f x x 1 2 , 2 = 2 1 4 = 8

Também temos:

f y y x , y = 0 - - 1 y 2 = 1 y 2

⇒ f y y 1 2 , 2 = 1 2 2 = 1 4

E pras derivadas mistas:

f x y x , y = f y x x , y = 1

Passo 4

Pronto! Agora podemos aplicar o teste da derivada segunda :) O nosso determinante vai ser:

H 1 2 , 2 = f x x 1 2 , 2 f x y 1 2 , 2 f y x 1 2 , 2 f y y 1 2 , 2