Substituição Trigonométrica

Teoria Completa

Já vimos aquele milhões de integrais, com substituição, partes e tudo mais. Ai, na hora da prova você pega e encontra essa integral

1 x x 2 + 9 d x

Tem uma raiz, com x no denominador, não surge nenhuma substituição na cabeça, não rola LIATE. O que fazer? Chorar?

RELAAAAAAAAXA... vamos usar substituição trigonométrica, ela vai salvar nossas vidas.

Quando usar substituição trigonométrica?

Naquele exemplo da integral

1 x x 2 + 9 d x

Apareceu x 2 + a 2 , aquele a 2 é o 9 .

a 2 = 9 a = ± 3

Em substituição trigonométrica, precisamos ignorar esse negativo. Vamos sempre pegar o positivo.

Esse a é sempre um número.

Então, se tivéssemos

x 2 - 9 a 2 = 9 a = 3

4 - x 2 a 2 = 4 a = 2

x 2 - 2 a 2 = 2 a = 2

Beleza, estamos em SUBSTITUIÇÃO TRIGONOMÉTRICA. Isso quer dizer que vamos fazer uma SUBSTITUIÇÃO, e ela é uma função TRIGONOMÉTRICA.

A questão é saber qual substituição fazer. Em cada caso, vamos usar uma substituição diferente.

Usando a substituição trigonométrica

Vamos voltar para o nosso exemplo

1 x x 2 + 9 d x

Passo 1: Identificamos qual caso.

Aqui temos o primeiro caso: x 2 + a 2 , já vimos que a = 3 . Vamos fazer

x = a   t g   θ   x = 3   t g   θ  

Passo 2: Achamos d x , derivando o x

Agora, precisamos achar d x , é só derivar o x

d x = 3   s e c 2   θ   d θ

Passo 3: Substituir o x e d x na integral dada.

Primeiro, vamos olhar a substituição só na raiz

x 2 + 9 3 t g   θ   2 + 9 = 9 t g 2 θ   + 9 = 9 t g 2 θ   + 1

Usando

t g 2 θ   + 1 = s e c 2 θ  

9 t g 2 θ   + 1 = 9   s e c 2 θ   = 3   s e c   θ  

Repara que sumiu a raiz ne? Esse tipo de integração serve exatamente para tirar essa raiz, então fica atento: Se a raiz não sumir, errei conta.

1 x x 2 + 9 d x 3   s e c 2   θ   d θ 3   t g   θ   . 3   t g 2 θ   2 + 9 = 3   s e c 2 θ   d θ 3   t g   θ   . 3   s e c   θ   = s e c   θ   3   t g   θ     d θ

Arrumando isso

= 1 3 1 c o s θ s e n θ c o s θ d θ = 1 3 1 s e n θ d θ =   1 3 c o s s e c θ d θ

Passo 4: Resolver a integral na variável θ .

Aqui é só resolver a integral mesmo xD

1 3 c o s s e c θ d θ = - 1 3 l n   c o s s e c   θ   + c o t g   θ     + C

Passo 5: Usar o triângulo retângulo para converter o θ na variável inicial.

Não interessa chegar à resposta em função θ , precisamos achar em x porque era a variável que eu tinha lá no início. Como fazemos isso? E agora?

Usamos

x = 3   t g   θ  

Então

t g   θ   = x 3

Olhando o triângulo retângulo:

É só usar as relações trigonométricas

s e n   θ   = C a t e t o   O p o s t o H i p o t e n u s a

c o s   θ   = C a t e t o   A d j a c e n t e H i p o t e n u s a

t g   θ   = C a t e t o   O p o s t o C a t e t o   A d j a c e n t e

t g   θ   = C a t e t o   O p o s t o C a t e t o   A d j a c e n t e = x 3

O cateto oposto vai ser x e o cateto adjacente vai ser 3 . O nosso triângulo vai ficar

Cara, mas e aquela bendita Hipotenusa? Pitágoras.

H i p o t e n u s a = x 2 + 9

Aqui, sempre vai faltar um lado, para achar esse bendito basta fazer um Pitágoras.

O triângulo do nosso exemplo é

Queremos escrever

1 3 l n   c o s s e c   θ   - c o t g   θ     + C

Com x . Aqui, vamos ter

c o t g   θ   = 1 t g   θ   = 1 x / 3 = 3 x

E

c o s s e c   θ   = 1 s e n   θ   = 1 x / x 2 + 9 = x 2 + 9 x

Voltando agora para x

- 1 3   l n   x 2 + 9 x + 3 x     + C

O passo a passo é sempre esse:

Passo 1: Identificamos qual caso.

Passo 2: Achamos d x

Passo 3: Substituir o x e d x na integral dada.

Passo 4: Resolver a integral na variável θ .

Passo 5: Usar o triângulo retângulo para converter o θ na variável inicial.

Ufa...

Agora chega de papo e mãos-a-obra!!

Expandir

Exercício Resolvido #1

USP - Cálculo 1 - P3 2010 - 1 a

Calcule as seguintes integrais indefinidas:

a x 5 3 + x 2 d x

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

O primeiro passo em questões de integral é identificar o método de integração que devemos utilizar para conseguir resolver ou que aparentemente pode nos levar à solução de forma mais fácil.

Tá, essa raiz quadrada com x 2 somado a constante é um indicador direto do método da Substituição Trigonométrica, você concorda.

Quando você cai num método de integração dividido em casos, que é o caso do método da Substituição Trigonométrica, o próximo passo é identificar de qual caso se trata para, a partir daí, direcionar a forma de resolver.

E qual dos três casos vamos usar? Temos uma expressão do tipo a 2 + x 2 .

Então, a substituição que devemos fazer nesse caso é: x = a tg θ

Passo 2

Agora vamos partir para a resolução propriamente dita. Já identificamos qual caso usar. O próximo passo é identificar quem é o a e, a partir disso, calcular d x e substituir na integral.

Temos 3 + x 2

Para escrever na forma a 2 + x 2 , podemos escrever: ( 3 ) 2 + x 2

Portanto, temos:

a = 3   x = 3 tg θ

d x = 3 sec 2 θ d θ

Substituindo na integral:

x 5 3 + x 2 d x = 3 tg θ 5 3 + 3 tg θ 2 3 sec 2 θ d θ

= 3 5 3 tg θ 5 3 + 3 tg 2 θ sec 2 θ d θ

= 3 3 tg θ 5 3 sec 2 θ sec 2 θ d θ

= 27 tg θ 5 3 sec θ sec 2 θ d θ

= 9 3 tg θ 5 sec θ d θ

Passo 3

Bom, depois de substituir tudo e simplificar o máximo possível, devemos resolver a integral em θ . E para resolver essa integral aqui? #Comofaz?

Sabemos que se trata de uma integral trigonométrica. Essa integral trigonométrica envolve tangente e secante, sendo o expoente da tangente ímpar. Nessa situação, a gente guarda um tg θ . sec θ , que é derivada da secante, e abre o resto das tangentes em secantes:

9 3 tg θ 4 tg θ sec θ d θ

= 9 3 sec 2 θ - 1 2 tg θ sec θ d θ

= 9 3 1 - 2 sec 2 θ + sec 4 θ tg θ sec θ d θ

Passo 4

Fazendo a seguinte substituição simples:

u = sec θ d u = tg θ sec θ d θ

Vai ficar:

9 3 1 - 2 u 2 + u 4 d u = 9 3 u - 2 u 3 3 + u 5 5

= 9 3 sec θ - 2 sec θ 3 3 + sec θ 5 5

Passo 5

Bom, agora que já resolvemos a integral em θ . Agora temos que voltar para x . Então montamos aquele triângulo maroto para des-substituir o θ para x , lembrando que no caso da tangente, o triângulo fica com essa cara aqui, ó:

A partir dessa triângulo, tiramos todas as relações de que precisamos. Nesse caso, só precisamos de sec θ

sec θ = 1 c o s θ =   x 2 + 3 3

Substituindo isso no resultado em θ que havíamos encontrado e lembrando que é uma integral indefinida, portanto, não devemos esquecer a constante C , beleza? Se liga aí para não dar bobeira!

9 3 x 2 + 3 3 - 2 x 2 + 3 3 3 3 + x 2 + 3 3 5 5 + C

= 9 x 2 + 3 - 2 x 2 + 3 3 + x 2 + 3 5 5 + C

Resposta

x 5 3 + x 2 d x = 9 x 2 + 3 - 2 x 2 + 3 3 + x 2 + 3 5 5 + C

Exercício Resolvido #2

UFF - Cálculo IIA - P1 Cristiane Argento 2012.2 - 1d

Calcule a integral abaixo

8 x - x 2 d x

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Bem, a princípio, esse problema pode não parecer simples de identificar o método de integração, porque já vou te avisando que ele não está assim tão na cara mesmo não. Mas nada que, com a prática, você não comece a identificar.

Bom, repara comigo que uma substituição simples não vai resolver o seu problema, porque dentro da raiz, você tem uma diferença com um termo x 2 . Quando derivar essa soma, vai ficar com um termo em x . E não tem nada de x fora da raiz (fail!).

Mas olha só: eu tenho um termo dentro da raiz e um termo x 2 . Isso me faz lembrar, bem lá no fundo, substituição trigonométrica. Ok, eu sei que você pensou: “Essa menina tá viajando aí, porque eu não tenho nada que pareça x 2 ± a 2 ou a 2 - x 2 ”.

Calma, como diz o ditado: nem tudo é o que parece ser.

Lembra daquela fórmula marota para calcular coisas do tipo x + a 2 ?

Lembra que é assim? x ± a 2 = x 2 ± 2 a x + a 2

Olha bem para essa função: 8 x - x 2

Repara que falta um numerozinho ali para ela ficar com essa carinha de x 2 ± 2 a x + a 2 e poder ser substituída por x ± a 2

Então, nesse caso, você pode completar o quadrado! E como você faz isso?

Pensa o seguinte (sem se preocupar com o sinal, por enquanto): você quer chegar em algo bonitinho do tipo x 2 ± 2 a x + a 2 .

Você já tem o x 2 e a parte do 2 a x .

Se você fizer 8 x = 2 a x , você descobre que ser a = 4

Se você quer chegar em algo do tipo x 2 ± 2 a x + a 2 , quem está faltando é o a 2 , concorda? Se o a = 4 , o a 2 seria 16 .

Você tem que fazer aquele 16 aparecer ali, mas, obviamente, você não pode alterar a função. Se aquele 16 não está no enunciado, você não pode simplesmente coloca-lo ali porque sem ele não dá para resolver. E aí?

Passo 2

Antes de responder isso, vamos pensar no sinal e colocar na forma já bonitinha:

Temos - x 2 + 8 x , que podemos reescrever como - ( x 2 - 8 x ) , beleza?

Vamos colocar o a 2 dentro disso aí? Assim:

- ( x 2 - 8 x + 16 )

Só que, como eu falei, aquele 16 não estava ali. Então o que a gente faz para não alterar a função original. Se eu desmembrar aquele termo ali em cima:

- x 2 - 8 x + 16 =   - x 2 + 8 x - 16

No final, esse 16 que eu coloquei aí para completar o quadrado ficou - 16 , certo?

Se eu somar um termo e diminuir o mesmo termo, eu não estou alterando nada, certo? Porque no final, o termo menos ele mesmo será zero, não é mesmo?

Então... Olha que lindo!

Eu posso simplesmente somar um 16 :

16 - x 2 + 8 x - 16

No final eu chegarei à expressão original:

- x 2 + 8 x

Você pode não estar entendendo ainda e achando que estou rodando em círculos e colocando algo que vou tirar depois. Mas o meu objetivo não é tirar o 16 . É deixa-lo ali. Só que sem alterar a função original. O 16 vai me fazer ser capaz de resolver a questão. Observa:

Agora eu tenho:

16 - 16 +   8 x - x 2 d x

16 - ( 16 -   8 x + x 2 ) d x

16 - x - 4 2 d x

Percebeu que mágico? Você adicionou algo que vai te ajudar pra caramba sem alterar a função original (pode abrir aquele quadrado e conferir quantas vezes quiser que o que você tem ali vai ser sempre - x 2 + 8 x !).

Passo 3

Ufa! Fiz tudo isso, mas ainda temos que resolver essa integral.

Vou chamar aquele termo x - 4   de u , só para facilitar a visualização do problema aqui, ok?

Se eu fizer:

u = x - 4 d u = d x

Olha só como fica a integral:

16 - u 2 d u

E aí? Substituição trigonométrica gritando para ser usada?

Sim, temos aquele caso de típico de substituição trigonométrica com uma expressão do tipo a 2 - x 2 .

Só que nesse caso, o que eu tenho que chamar de a . s e n θ não é x e sim o u , saca?

Então a substituição que vou fazer é a seguinte:

u =   a . s e n   θ  

Passo 4

Agora vamos partir para a resolução propriamente dita. Já identificamos qual caso usar. O próximo passo é identificar quem é o a e, a partir disso, calcular d u e substituir na integral.

Temos 16 - u 2

Portanto, temos:

a = 4   u = 4   s e n   θ

d u = 4  cos θ d θ

16 -   u 2 =   16 - 4   sen θ 2 =   16 - 16   s e n 2   θ = 16 1 - s e n 2 θ = 16 cos 2 θ

= 4  cos θ

Substituindo na integral dada:

16 - u 2 d u

4   c o s θ × 4 cos θ d θ

= 16 cos 2 θ   d θ = 16 cos 2 θ   d θ  

Passo 5

Agora devemos resolver a integral na variável θ . Para isso, vamos utilizar a propriedade trigonométrica:

cos 2 θ = 1 2 + 1 2 c o s ( 2 θ )

16 cos 2 θ   d θ = 1 6 1 2 + 1 2 c o s ( 2 θ )   d θ  

= 16   1 2 θ + 1 2 . 1 2 s e n   2 θ = 16   1 2 θ + 1 4 s e n   2 θ = 16   1 2 θ + 1 4 s e n   2 θ

= 8   θ + 4   s e n   ( 2 θ )

Passo 6

Agora que resolvemos a integral em θ , vamos voltar para u . Montamos aquele triângulo maroto para des-substituir o θ para u , lembrando que nesse caso, o triângulo fica com essa cara aqui, ó:

A partir desse triângulo, tiramos todas as relações de que precisamos. Nesse caso, precisamos do valor de θ e de s e n ( 2 θ ) . Vale lembrar que:

s e n   2 θ = 2   s e n   θ cos θ

Portanto, precisamos calcular as relações s e n   θ e cos θ

sen θ = c a t e t o   o p o s t o h i p o t e n u s a = u 4

cos θ = c a t e t o   a d j a c e n t e h i p o t e n u s a = 16 - u 2 4

θ =  arcse n u 4

Substituindo isso no resultado em θ que havíamos encontrado e lembrando que é uma integral indefinida, portanto, não devemos esquecer a constante C , beleza? Se liga aí para não dar bobeira!

16 cos 2 θ   d θ = 8   θ + 4   s e n   2 θ = 8   θ + 2   s e n   θ cos θ

= 8   a r c s e n   u 4 + 4   . 2   u 4 16 - u 2 4 + C 1

= 8   a r c s e n   u 4 + u 16 - u 2 2 + C 1

Chamei a constante aí em cima de C 1 porque essa ainda não é a resposta definitiva. Voltamos para u , mas a integral que tínhamos inicialmente era em x . Esse u aí veio daquela substituição esperta que fizemos para faciliar nossa vida.

Agora temos que voltar para x . Lembrando que fizemos u = x - 4 :

8 x - x 2 d x =   8   a r c s e n   x - 4 4 + x - 4 16 - ( x - 4 ) 2 2 + C

Resposta

8 x - x 2 d x =   8   a r c s e n   x - 4 4 + x - 4 16 - ( x - 4 ) 2 2 + C

Exercício Resolvido #3

George B. Thomas, Cálculo Volume II, 11ª ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil Ltda., 2009, pp 421 - 112

Resolva a integral definida:

- 2 / 5 - 6 / 5 d y | y | 5 y 2 - 3

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Você pode se assustar ao olhar essa integral, até porque ela tem um módulo ali, o que, por si só, já causa um certo desconforto.

Mas olha só: quando você tem módulo, o importante é você lembrar da definição de módulo.

y = y ,           p a r a   y 0 - y ,             p a r a   y < 0

Dependendo do intervalo, | y | terá comportamentos diferentes. Mas repara só: o intervalo de integração que ele deu vai de - 6 5 a - 2 5 , ou seja, são sempre valores negativos. O que significa que nesse intervalo de integração que ele deu, | y | será sempre igual a - y , concorda? Então vou escrever assim:

- 2 / 5 - 6 / 5 d y | y | 5 y 2 - 3 = - 2 / 5 - 6 / 5 d y - y 5 y 2 - 3

Só mais uma coisinha: repara que o limite inferior é - 2 5 , que é maior que o limite superior - 6 5 . Como tenho um menos ali na frente do y , posso aproveitar isso para usar aquela propriedade de integrais definidas que me permite mudar os limites de integração. Isso vai evitar que eu fique carregando aquele menos ali na frente do y .

- 2 / 5 - 6 / 5 d y - y 5 y 2 - 3 = - 6 / 5 - 2 / 5 d y y 5 y 2 - 3

Passo 2

Beleza. Agora eu tenho uma integral meio esquisita para resolver. Vamos esquecer os limites de integração por enquanto e pensar em como achar a primitiva dessa função, ok?

d y y 5 y 2 - 3  

Repara bem nessa integral. Você vê que temos uma raiz quadrada e que tem um y 2 ali menos uma constante. Isso não te lembra nada? Nadinha mesmo? Vou te dar uma dica: y 2 - a 2 .

Ok. Problema: Tem uma constante ali na frente do y 2 e como essa constante é diferente da constante que está sendo subtraída, eu não posso coloca-la em evidência. Mas na matemática nada se cria, nada se perde e, com sorte, tudo se transforma em algo útil e mais bonito.

Que tal manipular aquela expressão ali dentro da raiz para que ela fique com essa carinha de y 2 - a 2 ?

Vamos fazer

5 y 2 - 3 = 5 y 2 - 3 5 = 5 y 2 - 3 5

Aí a integral fica assim:

d y y 5 y 2 - 3 = d y 5   y   y 2 - 3 5 = 1 5 d y y   y 2 - 3 5

E agora? Vamos fazer a substituição trigonométrica!

Eu sei que você deve estar pensando: poxa, entender eu até entendi (ou aceitei, porque, né) mas eu nunca ia pensar nisso sozinho(a). Calma, essas coisas são questão de prática. E esses exercícios de fixação têm como objetivo de dar alguns bizus de coisas com as quais você pode se deparar na sua longa trajetória pelo mundo do Cálculo.

Fazendo mais exercícios, você vai ganhando bagagem para reconhecer essas pegadinhas, mesmo que nos primeiros você tenha que dar aquela coladinha, entendeu?

Bom, lembra que quando temos uma integral definida nós podemos tanto resolver a indefinida e depois utilizar o Teorema Fundamental do Cálculo quanto substituir direto os limites de integração em função da nova variável?

Então, na substituição simples, meio que tanto faz, mas no caso de substituição trigonométrica, vou te falar que não recomendo muito você tentar substituir os limites em função da variável θ . É melhor você esquecer os limites, calcular a indefinida em função de θ , voltar ara x e aí substituir os limites, beleza?#Ficadica #Confia

Passo 3

Passado o susto inicial, vemos que temos uma integral que será resolvida pelo método da substituição trigonométrica, aquele caso em que temos y 2 - a 2 .

O próximo passo é identificar quem é o a e, a partir disso, calcular d x e substituir na integral.

1 5 d y y   y 2 - 3 5

Temos y 2 - 3 5

Para escrever na forma y 2 - a 2 , podemos escrever: y 2 - 3 5 2

Portanto, temos:

a = 3 5 = 3 5   y = 3 5 sec θ

Agora derivando

d y = 3 5 sec θ tg θ d θ

Substituindo na integral:

1 5 d y y   y 2 - 3 5 = 1 5 3 5 sec θ t g   θ d θ 3 5 sec θ   3 5 sec 2 θ - 3 5

= 1 5 t g   θ d θ   3 5 sec 2 θ - 3 5 = 1 5 t g   θ d θ   3 5 ( sec 2 θ - 1 )    

= 1 5 t g   θ   d θ   3 5 ( sec 2 θ - 1 )  

Lembrando que

sec 2 θ - 1 = t g 2 θ

Voltando para a integral

= 1 5 5 3 t g   θ d θ   t g 2 θ  

= 1 3 t g   θ d θ   t g θ = 1 3   d θ

Passo 4

Agora devemos resolver a integral na variável θ . Essa integral é molezinha, amigo, tirar doce de criança:

1 3   d θ = 1 3   θ + C

Passo 5

Agora que já resolvemos a integral em θ , temos que voltar para u . Então montamos aquele triângulo espertinho para des-substituir o θ para x :

c o s θ = 3 5 y θ = arccos 3 5 y  

d y y 5 y 2 - 3 = 1 3 arccos 3 5 y + C

Passo 6

A questão ainda não acabou (todos choram). Queremos a integral definida. Achamos a primitiva. Agora temos que aplicar os limites de integração:

- 2 / 5 - 6 / 5 d y | y | 5 y 2 - 3 = - 6 / 5 - 2 / 5 d y y 5 y 2 - 3

Isso é equivalente a escrever assim:

- 6 / 5 - 2 / 5 d y y 5 y 2 - 3 = 1 3 arccos 3 5 y - 2 5 - arccos 3 5 y - 6 5    

- 6 / 5 - 2 / 5 d y y 5 y 2 - 3 = 1 3 arccos 3 5 - 5 2 - arccos 3 5 - 5 6

- 6 / 5 - 2 / 5 d y y 5 y 2 - 3 = 1 3 arccos - 3 2 - arccos - 3 6

Resposta

- 6 / 5 - 2 / 5 d y y 5 y 2 - 3 = 1 3 arccos - 3 2 - arccos - 3 6

Exercício Resolvido #4

James Stewart, Cálculo Vol. 1, tradução da 5ª ed. Norte-americana, Rio de Janeiro: CENGAGE learning, 2005, pp. 537 ex 30

Calcule a integral

d x e x 1 - e - 2 x

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

Essa integral, a princípio, não tem muita cara de nada que a gente sabe resolver, né? E aí? Nesses casos, a gente tenta jogar uma substituição simples marota para ver se dá uma simplificada e ver se chegamos em algo com uma carinha melhor.

Vamos simplificar esse bicho feio aí? Repara comigo que eu tenho um e x no denominador e tenho, dentro da raiz, um e - 2 x . Cara, se eu jogar o e x para cima, basta inverter o sinal do expoente:

d x e x 1 - e - 2 x = e - x d x 1 - e - 2 x

Fala sério, a partir daqui, eu posso chamar essa coisa feia de u , né?

u = e - x   ;   d u = - e - x d x e - x d x = - d u  

Mandei essa substituição simples nessa integral. A nova cara é essa:

e - x d x 1 - e - 2 x = ( e - x d x ) 1 - ( e - x ) 2 = - d u 1 - u 2

Passo 2

E agora? Tá vendo que tenho uma raiz com um 1 - u 2 ali? Vai dizer que isso não te lembra nada? Não parece que isso vai sair por substituição trigonométrica?

Então... agora que você já sabe qual é o método de integração que deve te conduzir à luz, identifique o caso e seja feliz!

Bom, temos uma expressão do tipo a 2 - x 2 .

Então, a substituição que devemos fazer nesse caso é:   x = a . s e n θ

Passo 3

Agora vamos partir para a resolução propriamente dita. Já identificamos qual caso usar. O próximo passo é identificar quem é o a e, a partir disso, calcular d u e substituir na integral.

Temos 1 - u 2

Portanto, temos:

a = 1   x = s e n   θ

d x = cos θ d θ

Substituindo na integral:

- d u 1 - u 2 = - cos θ   d θ 1 - sen 2 θ = - cos θ   d θ cos 2 θ = - d θ

Passo 4

Agora devemos resolver a integral na variável θ . Essa integral é molezinha, amigo, tirar doce de criança:

- d θ = - θ

Passo 5

Bom, agora que já resolvemos a integral em θ . Agora temos que voltar para u . Então montamos aquele triângulo maroto para des-substituir o θ para u , lembrando que no caso do seno, o triângulo fica com essa cara aqui, ó:

A partir dessa triângulo, tiramos todas as relações de que precisamos. Nesse caso, só precisamos do valor de θ . Repare que a relação s e n   θ é a que vai dar a expressão mais simples:

sen θ = c a t e t o   o p o s t o h i p o t e n u s a = u 1 = u

θ = a r c s e n   u

Eu poderia ter escolhido calcular o cosseno ou tangente, mas esse foi o que deu a expressão mais simples, por isso a escolhi.

Substituindo isso no resultado em θ que havíamos encontrado e lembrando que é uma integral definida, portanto, não devemos esquecer a constante C , beleza? Se liga aí para não dar bobeira!

- d u 1 - u 2 = - a r c s e n   u + C 1

Chamei a constante aí em cima de C 1 porque essa ainda não é a resposta definitiva. Voltamos para u mas a integral que tínhamos inicialmente era em x . Esse u aí veio daquela substituição esperta que fizemos para faciliar nossa vida.

Agora temos que voltar para x . Lembrando que fizemos u = e - x :

d x e x 1 - e - 2 x =   - a r c s e n   e - x + C

- ''

Resposta

d x e x 1 - e - 2 x = - arcsen e - x + C

Exercício Resolvido #5

USP - Cálculo 1 - PREC 2014 - 5 a

Calcule as seguintes integrais:

a   x ln x x 2 - 1 d x

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 1

A primeira coisa que a gente pensa ao olhar para essa integral é a integração por partes, concorda? Estamos trabalhando com funções muito distintas: logaritmo não tem nenhuma relação direta com polinômios. Pela regrinha do LIATE nós devemos escolher como nosso u da integração por partes o ln x , o resto do termo será d v . A partir disso, tudo consiste em aplicar a fórmula desse método:

u = ln x d u = d x x

d v = x d x x 2 - 1 v = x 2 - 1

Essa integral do d v a gente pode fazer por substituição simples do x 2 - 1 .

Agora aplicamos aquela fórmula da integral por partes:

x ln x x 2 - 1 d x = ln x x 2 - 1 - x 2 - 1 x d x

Agora sobrou uma outra integral, resolvemos ela para finalizar!

Passo 2

E agora? Repara bem: tenho uma raiz com um x 2 - 1 ali. Isso aí não tá pedindo uma substituição trigonométrica?

Temos uma expressão do tipo x 2 - a 2 .

Então, a substituição que devemos fazer nesse caso é:   x = a . s e c θ

Passo 3

Agora vamos partir para a resolução propriamente dita. Já identificamos qual caso usar. O próximo passo é identificar quem é o a e, a partir disso, calcular d x e substituir na integral.

Temos x 2 - 1

Portanto, temos:

a = 1   x = s e c   θ

d x = s e c θ t g   θ   d θ

Substituindo na integral:

x 2 - 1 x d x = sec 2 θ - 1 sec θ sec θ tg θ d θ

= tg 2 θ tg θ d θ

= tg θ tg θ d θ

Repara que a tangente sai da raiz como módulo!

Porém, se olharmos a definição desse caso em que substituímos x sec θ , veremos que definimos o intervalo de θ como θ   ϵ   0 , p i 2   U   p i , 3 p i 2 . Nesse intervalo, t g   θ 0 . Como a tangente será sempre positiva e seu módulo será igual a ela mesma:

tg θ tg θ d θ = tg 2 θ d θ

= sec 2 θ - 1 d θ

Passo 4

Agora devemos resolver a integral na variável θ . Essa integral é tranquilinha:

sec 2 θ - 1 d θ   = tg θ - θ

Passo 5

Resolvemos a integral em θ . Agora temos que voltar para x . Então montamos aquele triangulozinho básico para des-substituir o θ para x , lembrando que no caso da secante, o triângulo fica com essa cara aqui, ó:

Nesse caso, precisamos calcular t g   θ   e o próprio θ :

tg θ = c a t e t o   o p o s t o c a t e t o   a d j a c e n t e = x 2 - 1 1 = x 2 - 1

Como fizemos a substituição x = sec θ , podemos tirar direto a seguinte relação:

θ = arcsec x

Substituindo isso no resultado em θ que havíamos encontrado e lembrando que é uma integral definida, portanto, não devemos esquecer a constante C , temos:

x 2 - 1 x d x =   x 2 - 1 - arcsec x + C 1

Lembrando que essa era só a integral em que caímos depois. A integral que queríamos resolver no enunciado era essa aqui:

x ln x x 2 - 1 d x = ln x x 2 - 1 - x 2 - 1 x d x

Portanto:

x ln x x 2 - 1 d x = ln x x 2 - 1 - ( x 2 - 1 - arcsec x + C 1 )

x ln x x 2 - 1 d x = ln x x 2 - 1 - ( x 2 - 1 - arcsec x + C 1 )

x ln x x 2 - 1 d x = ln x x 2 - 1 - x 2 - 1 + arcsec x + C

Resposta

x ln x x 2 - 1 d x = ln x x 2 - 1 - x 2 - 1 + arcsec x + C

Esse conteúdo é exclusivo para cadastrados.

Cadastre-se grátis no maior portal de exatas do Brasil!

Relaxa, não vamos publicar nada no seu nome.

  • Resumões direto ao ponto
    Resumões
    direto ao ponto
  • Exercícios resolvidos passo a passo
    Exercícios resolvidos
    passo a passo
  • Videoaulas incríveis
    Videoaulas
    incríveis
  • Aulões Salva-Vidas
    Aulões
    Salva-Vidas