Exercícios Resolvidos de Superfície Aberta

PUCRIO, Cálculo 3 - MAT1163, G3 - 2014.1, Questão 3c

Considere a superfície S que é a parte do elipsoide x 2 4 + y 2 + z 2 = 1 que está acima do plano x y e com os vetores normais apontando para fora. Seja F x , y , z = x z i ^ + y z j ^ + x y k ^ e

I = S × F d S

Use o teorema de Gauss para calcular I

Passo 1

Como já vimos, temos o seguinte gráfico para essa superfície

Onde S é essa casca do elipsoide cortada pelo plano x y . Pelo Teorema de Gauss, podemos escrever o seguinte

W   G d s = w   d i v G   d V

Ou seja, a integral de superfície de uma função G sobre uma superfície fechada é igual à integral tripla do divergente dessa função no sólido limitado por essa superfície. Aplicando isso ao problema, podemos pensar que G = r o t ( F ) e que a casca do elipsoide S , junto com a elipse contida no plano x y E , formam uma região fechada.

Assim, escrevemos:

S r o t ( F ) d S + E r o t ( F ) d S = w   d i v r o t ( F )   d V

Como o que queremos é o primeiro termo dessa expressão:

J = w   d i v r o t F   d V - E r o t ( F ) d S

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 2

Vamos começar pela integral tripla. Vamos calcular o rotacional de F . Temos:

F x , y , z = ( x z ,   y z ,   x y )

r o t F = ×   F = i j k x y z F 1 F 2 F 3

r o t F = F 3 y - F 2 z ,   F 1 z - F 3 x ,   F 2 x - F 1 y

r o t F = x - y ,   x - y ,   0 - 0

r o t F = x - y ,   x - y ,   0

O divergente do rotacional é, então:

d i v r o t   F = F 1 x +   F 2 y + F 3 z

d i v r o t   F = 1 - 1 + 0 = 0

Portanto, temos:

w   d i v r o t F   d V = 0

Passo 3

Beleza, agora vamos calcular a integral de superfície.

E   r o t   F .   d S = D   r o t F . φ x × φ y d x d y

Primeiro, vamos parametrizar nossa nova superfície E e calcular seu vetor normal. Como a elipse está contida no plano x y , podemos parametrizá-la como:

φ x , y = ( x , y , 0 )

Onde os parâmetros x e y devem estar “dentro” da projeção da superfície no plano x y , ou seja, dentro da elipse.

Fazendo a interseção do elipsoide x 2 4 + y 2 + z 2 = 1 com o plano z = 0 , temos:

x 2 4 + y 2 = 1

Como queremos os pontos que estão dentro da elipse, temos:

x 2 4 + y 2 1

Passo 4

Esse é o domínio da superfície E . Agora vamos calcular a normal dessa superfície.

φ x = ( 1,0 , 0 )

φ y = ( 0,1 , 0 )

φ x × φ y = i j k 1 0 0 0 1 0 = ( 0,0 , 1 )

Como o problema diz que os vetores normais apontam para fora no elipsoide (ou seja, para cima), para manter o sentido vetorial correto, eles devem apontar para cima no plano. Como o vetor que encontramos possui a coordenada z positiva, quer dizer que ele está no sentido correto!

Passo 5

Escrevendo o rotacional em termos das variáveis da parametrização, temos:

r o t F = x - y ,   x - y ,   0

x = x

y = y

z = 0

r o t F = x - y ,   x - y ,   0

Legal, deu no mesmo -.-

Ok, vamos continuar.

Passo 6

Agora, vamos montar a integral de superfície

E   r o t   F .   d S = D   x - y ,   x - y ,   0 . ( 0,0 , 1 ) d x d y

Onde D é dado por

x 2 4 + y 2 1

O domínio da parametrização. Vamos calcular isso aí então:

D   0   d x d y = 0

Olha que maravilha, nem precisamos fazer mais conta : )

Passo 7

Assim, temos o seguinte:

J = w   d i v r o t F   d V - E r o t ( F ) d S

J = 0 - 0

Resposta

J = 0

Esse conteúdo é exclusivo para cadastrados.

Cadastre-se grátis no maior portal de exatas do Brasil!

Relaxa, não vamos publicar nada no seu nome.

  • Resumões direto ao ponto
    Resumões
    direto ao ponto
  • Exercícios resolvidos passo a passo
    Exercícios resolvidos
    passo a passo
  • Videoaulas incríveis
    Videoaulas
    incríveis
  • Aulões Salva-Vidas
    Aulões
    Salva-Vidas