Exercícios Resolvidos de Regra da Cadeia – Mais de 1 Parâmetro

PUCRIO, Cálculo 2 - MAT1162, G2 - 2013.1, Questão 1cd

Considere a função

f x , y = x 2 - 1 y 2 - 1 ,         x , y R 2

  1. Sejam x u , v , y u , v funções diferenciáveis satisfazendo:
  2. x 0,0 = 0           ,           y 0,0 = 2

    x u 0,0 = 1           ,           y u 0,0 = 2

    x v 0,0 = 2           ,           y v 0,0 = 3

    Considere a função composta

    g u , v = f x u , v , y u , v

    Calcule o gradiente de g no ponto u , v = 0,0

  3. Considere a seguinte curva de nível:

C = u , v R 2 g u , v = - 1

Escreva a equação paramétrica da reta normal à curva C no ponto u , v = 0,0

Passo 1

c )

Temos de encontrar o gradiente da função g . Ele vai ser

g u , v = g u , g v

Mas ele disse que

g u , v = f x u , v , y u , v

Ou seja, vamos precisar usar a regra da cadeia.

Vamos calcular cada derivada parcial com as fórmulas:

g u u 0 , v 0 = f x x 0 , y 0 x u u 0 , v 0 + f y x 0 , y 0 y u u 0 , v 0

g v u 0 , v 0 = f x x 0 , y 0 x v u 0 , v 0 + f y x 0 , y 0 y v u 0 , v 0

Esse u 0 e v 0 são aqueles valores de u e v que ele deu no enunciado

Aqui, é importante lembrar que x 0 e y 0 são os valores de x e y que temos em função de u 0 e v 0

x 0 = x u 0 , v 0

y 0 = y u 0 , v 0

Que são os valores de x e y quando u e v são 0 e 0

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 2

Vamos começar achando x 0 e y 0

x 0 = x 0,0

y 0 = y 0,0

Isso ele deu no enunciado, vai ser

x 0 = 0

y 0 = 2

Passo 3

Agora temos que achar a derivada de f em x e y .

f x = y 2 - 1 x 2 - 1 ' = y 2 - 1 2 x

E

f y = x 2 - 1 y 2 - 1 ' = x 2 - 1 2 y

Substituindo os valores de x e y por x 0 e y 0 que achamos ali em cima

f x 1 , 2 = 2 2 - 1 2 . 0 = 2 - 1 0 = 0

f y 1 , 2 = 0 2 - 1 2 2 = - 1 . 2 2 = - 2 2

Passo 4

Agora vamos juntar tudo. Começando com g u

g u u 0 , v 0 = f x x 0 , y 0 x u u 0 , v 0 + f y x 0 , y 0 y u u 0 , v 0

Vamos arrumar essa bagunça, trocando u 0 e v 0 pelo valor deles para ficar mais apresentável ne?

g u 0,0 = f x x 0 , y 0 x u 0,0 + f y x 0 , y 0 y u 0,0

Opa, ficou um x 0 e y 0 ali. Mas já achamos esses valores:

x 0 = 0

y 0 = 2

Jogando na fórmula

g u 0,0 = f x 0 , 2 x u 0,0 + f y 0 , 2 y u 0,0

Todas as derivadas nós temos

x u 0,0 = 1           ,           y u 0,0 = 2

f x 0 , 2 = 0

f y 0 , 2 = - 2 2

Jogando na fórmula

g u 0,0 = 0.1 + 2 . - 2 2 = - 4

Passo 5

Vamos fazer a mesma coisa agora para g v

g v u 0 , v 0 = f x x 0 , y 0 x v u 0 , v 0 + f y x 0 , y 0 y v u 0 , v 0

Vamos arrumar essa bagunça, trocando u 0 e v 0 pelo valor deles para ficar mais apresentável ne?

g v 0,0 = f x x 0 , y 0 x v 0,0 + f y x 0 , y 0 y v 0,0

Opa, ficou um x 0 e y 0 ali. Mas já achamos esses valores:

x 0 = 0

y 0 = 2

Jogando na fórmula

g u 0,0 = f x 0 , 2 x u 0,0 + f y 0 , 2 y u 0,0

Todas as derivadas nós temos

x v 0,0 = 2           ,           y v 0,0 = 3

f x 0 , 2 = 0

f y 0 , 2 = - 2 2

Jogando na fórmula

g u 0,0 = 0 . 2 + 3 . - 2 2 = - 6 2

Passo 6

O gradiente então vai ser:

g 0,0 = - 4 , - 6 2

Passo 7

Vamos agora para a letra d

Ele quer a reta normal a

g u , v = - 1

Para isso temos que achar o vetor normal n , para substituir na fórmula da reta

r t = P 0 + n t

Onde o P 0 é o ponto 0,0 , que foi o que ele pediu

Passo 8

O vetor normal será n = g 0,0 :

Mas já achamos

n = - 4 , - 6 2

Passo 9

Substituir nas equações da reta:

r t = 0,0 + - 4 , - 6 2 t

r t = - 4 t , - 6 2 t

Resposta

a)

g 0,0 = - 4 , - 6 2

b)

r t = - 4 t , - 6 2 t

Esse conteúdo é exclusivo para cadastrados.

Cadastre-se grátis no maior portal de exatas do Brasil!

Relaxa, não vamos publicar nada no seu nome.

  • Resumões direto ao ponto
    Resumões
    direto ao ponto
  • Exercícios resolvidos passo a passo
    Exercícios resolvidos
    passo a passo
  • Videoaulas incríveis
    Videoaulas
    incríveis
  • Aulões Salva-Vidas
    Aulões
    Salva-Vidas