Exercícios Resolvidos de Caso Vetorial

USP - Cálculo 3 - PSUB 2015 – 3

Calcule S   F . N d S onde F x , y , z = r r 3 e S é a parte do hiperboloide x 2 + y 2 - z 2 = 1 limitado pela esfera x 2 + y 2 + z 2 = 2 com a normal que aponta no sentido que se afasta do eixo z .

Passo 1

Antes de tudo, vamos pensar que superfície é essa do problema. Temos um hiperboloide cortado por uma esfera:

A superfície do problema é a parte do hiperboloide que está dentro da esfera, portanto, isso aqui:

Onde a normal aponta para fora.

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 2

Como temos simetria em relação ao eixo z e termos quadráticos, vamos parametrizar essa superfície em coordenadas cilíndricas, ok? Temos:

x = r cos θ

y = r   s e n   θ

z = z

O que nos dá

x 2 + y 2 - z 2 = 1

r 2 - z 2 = 1

z = ± r 2 - 1

φ 1 r , θ = ( r cos θ ,   r   s e n   θ , r 2 - 1 )

φ 2 r , θ = ( r cos θ ,   r   s e n   θ , - r 2 - 1 )

Temos duas parametrizações muito parecidas, uma para a parte do hiperboloide que fica acima do plano x y e outra para a parte que fica abaixo.

OBS: Essas duas superfícies são simétricas em z . Se você reparar, a função que vamos integrar F x , y , z = r r 3 também é simétrica em z , o que quer dizer que a integral sobre φ 1 vai ser igual �� sobre φ 2 . Por isso, vamos trabalhar aqui só com φ 1 e dobrar o resultado, ok?

Como temos a volta completa em torno do eixo z , 0 θ 2 π . Para descobrir o intervalo de r precisamos descobrir onde o hiperboloide corta a esfera:

x 2 + y 2 - z 2 = 1

x 2 + y 2 + z 2 = 2

Somando as duas equações, temos:

2 x 2 + 2 y 2 = 3

x 2 + y 2 = 3 2

Sabemos então que as superfícies se cortam em r = 3 / 2 , certo?

Como o raio mínimo é r = 1 , quando z = 0 , nós sabemos que 1 r 3 / 2 .

Passo 3

Agora temos que calcular a normal φ 1 r × φ 1 θ

φ 1 r , θ = ( r cos θ ,   r   s e n   θ , r 2 - 1 )

Temos:

φ 1 r = cos θ , s e n   θ , r r 2 - 1

φ 1 θ = ( - r   s e n   θ , r cos θ , 0 )

φ 1 r × φ 1 θ = i ^ j ^ k ^ cos θ s e n   θ r r 2 - 1 - r   s e n   θ r cos θ 0

= - r 2 r 2 - 1 cos θ , - r 2 r 2 - 1   s e n   θ , r cos 2 θ + r   s e n 2 θ =

= - r 2 r 2 - 1 cos θ , - r 2 r 2 - 1   s e n   θ , r

Bom, como o problema diz que a normal aponta para longe de z , isso quer dizer, para φ 1 , a componente z da normal ser negativa. Volta lá no desenho se você ficou confuso. Logo, o vetor que queremos é o oposto a esse:

φ 1 θ × φ 1 r = r 2 r 2 - 1 cos θ , r 2 r 2 - 1   s e n   θ , - r

Passo 4

Agora, para calcular essa integral, vamos usar a seguinte fórmula:

S   F . n d S = D   F φ r , θ φ r × φ θ d r d θ

Como nós vimos que a integral em φ 1 vai ser igual à em φ 2 , temos:

S   F . n d S = 2 D   F φ 1 r , θ φ 1 r × φ 1 θ d r d θ

Aplicando os valores que nós temos:

S   F n d S = 2 D   F φ r , θ . cos θ , s e n   θ , 2 r r 2 - 1 d r d θ

Onde

F x , y , z = r r 3 = 1 x 2 + y 2 + z 2 3 / 2 ( x , y , z )

Escrevendo nas variáveis da parametrização:

F φ r , θ = r cos θ ,   r sen θ , r 2 - 1 r 2 cos 2 θ + r 2 sen 2 θ + r 2 - 1 3 / 2 = r cos θ ,   r sen θ , r 2 - 1 2 r 2 - 1 3 / 2

= 2 D   r cos θ ,   r sen θ , r 2 - 1 2 r 2 - 1 3 / 2 . cos θ , s e n   θ , 2 r r 2 - 1 d r d θ =

= 2 D   r + 2 r 2 r 2 - 1 3 / 2 d r d θ =

= 6 D   r 2 r 2 - 1 3 / 2 d r d θ =

Trazendo os intervalos de r e θ :

= 6 0 2 π 1 3 / 2 r 2 r 2 - 1 3 / 2 d r d θ =

Passo 5

Agora vamos resolver isso aí. Fazendo:

2 r 2 - 1 = u

4 r d r = d u

r = 3 2                       u = 2

r = 1                       u = 1

= 6 4 0 2 π 1 2 1 u 3 / 2 d u d θ =

= 3 0 2 π 1 u 1 2 d θ =

= 3 0 2 π 1 2 - 1 d θ =

= 6 π 1 2 - 1

Resposta

6 π 1 2 - 1

Esse conteúdo é exclusivo para cadastrados.

Cadastre-se grátis no maior portal de exatas do Brasil!

Relaxa, não vamos publicar nada no seu nome.

  • Resumões direto ao ponto
    Resumões
    direto ao ponto
  • Exercícios resolvidos passo a passo
    Exercícios resolvidos
    passo a passo
  • Videoaulas incríveis
    Videoaulas
    incríveis
  • Aulões Salva-Vidas
    Aulões
    Salva-Vidas