Exercícios Resolvidos de Superfície Aberta

UFF, Cálculo IIIA, Listas GMA - Lista 6, Questão 14

Questão 14) Seja S a calota esférica dada pela equação x 2 + y 2 + z 2 = 4 , onde 0 z 2 . Sobre S fixe a orientação n tal que n 0 ,   0 ,   2 = k . Calcule

S   r o t   F n   d S

Onde F x ,   y ,   z = - y 3 3 + z   e x , x 3 3 - cos y z ,   x y

Passo 1

Bem, vamos com calma aqui. Queremos calcular:

S   r o t   F n   d S

Em cima de S que nos representa uma “calota”:

Veja que a calota é uma na realidade a parte de cima da esfera de raio 2 .

Essa integral de superfície é típica de problema de Stokes e é justamente ele que vamos tentar utilizar aqui, já que de acordo com esse Teorema, podemos aplicar

S   r o t   F n   d S = S   F d r

Onde essa integral de linha é calculada na borda de S , ou seja, em cima dessa curvinha azul aí:

Não sei você, mas eu não quero calcular a integral de linha em cima dessa circunferência aí não! Ora, vai dar mais trabalho! Então o que acha de tentar voltar pra integral de superfície?

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 2

Sim, vamos retornar a integral de superfície, mas não pra aquela dali em S :

S   r o t   F n   d S

O teorema de Stokes é legal com a gente. Ele fala que se pode calcular a integral de superfície em qualquer superfície desde que a superfície escolhida tenha como borda a curva que eu te mostrei. Ora, e qual superfície, além de S , que tem como borda esse cara? O próprio círculo em cima do plano z = 0 ! :D

Então, chamando esse plano de superfície 2 , S 2 , pelo teorema de Stokes...

S   F d r = S 2   r o t   F n   d S

Logo...

S   r o t   F n   d S = S 2   r o t   F n   d S

Veja que ironia nessa última igualdade. Nós queríamos calcular uma integral de superfície em cima de uma superfície que não continha o círculo, mas por Stokes calcular a integral em cima dessa calota é o mesmo que calcular em cima do círculo!

Doideira, neh? Então bora comigo calcular essa integral em S 2 :D

Passo 3

Primeiro quem é o rotacional?

r o t   F = F 3 y - F 2 z ,   F 1 z - F 3 x ,   F 2 x - F 1 y

Como

F x ,   y ,   z = - y 3 3 + z   e x , x 3 3 - cos y z ,   x y = F 1 ,   F 2 ,   F 3

Então, pelo cálculo das derivadas parciais...

r o t   F = x - sin y z y , e x - y , x 2 - - y 2  

r o t   F = x - y sin y z , e x - y , x 2 + y 2  

Logo, vamos ter que calcular a integral de superfície desse vetor aí! Fique atento para não esquecer e usar F , heim!

Passo 4

Tá, agora quem é a superfície S 2 ? Ora é o círculo no plano x y , neh:

Veja que esse plano tem o vetorsinho normal n apontando justamente pra cima, logo ele tem coordenadas:

n = 0 ,   0 ,   1

Esse vetor é justamente o vetor pedido no problema, já que ele aponta pra cima, logo...

S 2   r o t   F n   d S = S 2   x - y sin y z , e x - y , x 2 + y 2   0 ,   0 ,   1   d S =

S 2   x 2 + y 2   d S

Passo 5

Precisamos da superfície S 2 parametrizado para prosseguir com os cálculos:

Como é um círculo, podemos parametrizar utilizando coordenadas cilíndricas...

x = r cos θ

y = r sin θ

Como o z do círculo é conhecido (ele está em cima do plano x y )...

z = 0

Então a gente pode em uma notação mais elegante, falar que a parametrização é...

σ r ,   θ = r cos θ ,   r sin θ ,   0

Onde r e θ varia com o círculo. θ podemos afirmar de antemão que ele dá uma volta completa, logo...

0 θ 2 π

Já o raio, depende do raio do círculo. Bem, podemos encontra esse raio fazendo o z = 0 na equação da esfera...

x 2 + y 2 + z 2 = 4                           x 2 + y 2 = 4

Ou seja, é um círculo de raio 2 , logo, o raio r varia de 0 até esse cara, veja...

0 r 2

Passo 6

O termo d S dessa parametrização é...

d S = N d r d θ

Onde

N = σ r ,   θ r × σ r ,   θ ��

σ r ,   θ = r cos θ ,   r sin θ ,   0                           σ r ,   θ r = cos θ ,   sin θ ,   0

σ r ,   θ = r cos θ ,   r sin θ ,   0                           σ r ,   θ θ = - r sin θ ,   r cos θ ,   0

N = i j k cos θ sin θ 0 - r sin θ   r cos θ 0      

N = r cos 2 θ k - - r sin 2 θ k  

N = r cos 2 θ + sin 2 θ k

N = r k

Logo...

N = r 2 = r

Passo 7

Voltando para a integral que precisamos resolver...

S 2   x 2 + y 2   d S    

Colocando esse x 2 + y 2 em coordenadas cilíndricas...

S 2   r cos θ 2 + r sin θ 2   d S  

S 2   r 2 cos 2 θ + sin 2 θ   d S  

S 2   r 2   d S  

Agora trocando o S 2 pelas variações de r e θ enquanto que o d S ...

0 2 π 0 2 r 3 d r d θ

Agora é só resolver essa integral e correr para o abraço 😉!

Passo 8

0 2 π 0 2 r 3 d r d θ = 0 2 π 0 2 r 3 d r d θ =

0 2 π r 4 4 0 2 d θ = 4 0 2 π d θ =

8 π

Passo 9

Veja bem, encontramos o valor da integral em S 2 . Mas como vimos...

S   r o t   F n   d S = S 2   r o t   F n   d S

Então

S   r o t   F n   d S = 8 π

Resposta

8 π

Esse conteúdo é exclusivo para cadastrados.

Cadastre-se grátis no maior portal de exatas do Brasil!

Relaxa, não vamos publicar nada no seu nome.

  • Resumões direto ao ponto
    Resumões
    direto ao ponto
  • Exercícios resolvidos passo a passo
    Exercícios resolvidos
    passo a passo
  • Videoaulas incríveis
    Videoaulas
    incríveis
  • Aulões Salva-Vidas
    Aulões
    Salva-Vidas