Seja C a curva orientada parametrizada por:

r → t = cos ⁡ t , sen ⁡ ( t ) , 8 - cos 2 ⁡ t - sen ⁡ ( t )

t ∈ 0,2 π

Seja o campo vetorial:

F → = z 2 - y 2 , - 2 x y 2 , e z cos ⁡ z

Calcule:

∫ C   F ∙ d r

Passo 1

Pela cara do campo vetorial, devemos aplicar Stokes, pois fazer a integral de linha não seria agradável.

O campo F é de classe C ∞ se z > 0 por causa daquele expoente z . Portanto temos que, pela Lei de Stokes: r o t F = 0,2 z , - 2 y 2 + 2 y

Analisando a curva C , vemos que z t > 6 para todo t ∈ 0,2 π , que é o domínio dado no enunciado.

Substituindo por coordenadas cartesianas, temos que a curva está contida na superfície:

z = 8 - x 2 - y

Vamos utilizar essa superfície na formula de Stokes.

Passo 2

Observamos que a projeção da curva C no plano coordenado x y é um círculo de raio 1 e tem o sentido anti-horário e, portanto, orientamos a superfície de forma compatível com o teorema de Stokes, isto é, com a terceira componente do vetor normal sendo positiva. Usando a parametrização natural, isto é, chamando a primeira coordenada de x e a segunda de y :

ϕ x , y = x , y , 8 - x 2 - y

Temos que o domínio D da parametrização é justamente a projeção dela no plano x y que vimos ali em cima que é um círculo de raio 1 !

x 2 + y 2 ≤ 1

Temos também que o vetor normal é:

N = ∂ ϕ ∂ x × ∂ ϕ ∂ y

N = 2 x , 1,1

Que tem a orientação desejada.

Passo 3

Segue que:

r o t F = 0,16 - 2 x 2 - 2 y , - 2 y 2 + 2 y

Você precisa tomar cuidado ao olhar essa superfície, se fizer as contas você vai ver que ela é fechada, ou seja, começa e termina no mesmo ponto, mas como o rotacional é diferente de 0 temos que fazer a conta como fazemos normalmente, isso porque com o rotacional diferente de 0 não garantimos que a integral de linha é 0

r o t F ∙ N = 16 - 2 x 2 + y 2

Aplicando Stokes:

∫ C   F ∙ d r = ∬ D   16 - 2 x 2 + y 2   d x d y

Aplicando coordenadas polares por causa do domínio e da integral:

x = r cos ⁡ θ

y = r sen ⁡ ( θ )

θ ∈ 0,2 π

Plugando a parametrização na definição do domínio D :

r cos ⁡ θ 2 + r   sen ⁡ ( θ ) 2 ≤ 1

r 2 ≤ 1 → 0 ≤ r ≤ 1

Isto pois r é positivo por definição.

Agora mudemos os diferenciais por jacobiano:

d x d y = r   d r d θ

Passo 4

Plugando os limites e a parametrização na integral:

∫ C   F ∙ d r = ∫ 0 2 π ∫ 0 1 16 r - 2 r 3 d r d θ

Em θ a integral é moleza, a outra é só um polinômio. Partiu pro abraço:

∫ C   F ∙ d r = 2 π 8 r 2 - r 4 2 0 1

∫ C   F ∙ d r = 2 π 8 - 1 2

∫ C   F ∙ d r = 16 π - π

Resposta

∫ C   F ∙ d r = 15 π

Exercícios de Livros Relacionados

Uma partícula se move ao longo dos segmentos de reta da origem aos pontos 1,0 , 0 ,   1,2 , 1 ( 0,2 , 1 ) e de volta para a origem sob a influência do campo de forças F → = z 2 i →...
Use o teorema de Stokes para calcular ∬ S c u r l   F → ⋅ d S . F → x , y , z = x 2 z 2 i → + y 2 z 2 j → + x y z k → , S é a parte do paraboloide z = x 2 + y 2 que está dentro do ...
Verifique se o Teorema de Stokes é verdadeiro para o campo vetorial dado F → e a superfície S . F → = y i → + z j → + x k → , S é o hemisfério x 2 + y ² + z ² = 1 ² ² , y ≥ 0 , ori...
Use o teorema de Stokes para calcular ∬ S c u r l   F → ⋅ d S . F → x , y , z = e x y cos ⁡ z i → + x 2 z j → + x y k → , S é o hemisfério x = 1 - y 2 - z 2 orientado na direção po...