Exercícios Resolvidos de Mudança para Coordenadas Polares

Coordenadas polares

b) Calcule a integral

∫ 0 a cos ⁡ b   ∫ 0 x tg ⁡ b f ( x , y ) d y d x + ∫ a cos ⁡ b a   ∫ 0 a 2 - x 2 f ( x , y ) d y d x

Considerando f x , y = x 4 - y 4

Passo 1

Como temos termos quadráticos tanto no domínio como na função a ser integrada, vamos utilizar coordenadas polares. Faremos:

x = r cos ⁡ θ

y = r sen ⁡ θ

J = r

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 2

Agora precisamos identificar os novos intervalos de integração. Vamos analisar novamente o esboço que fizemos ao resolver a letra a) dessa questão (no Capítulo 2):

O limite superior é y = a 2 - x 2 . Se elevarmos os dois lados ao quadrado, passamos a ter:

x 2 + y 2 = a 2

Essa é a equação de uma circunferência de raio a . Como a raiz tem que ser positiva, vamos desenhar apenas a parte com y > 0 .

A outra equação que limita y é y = x tg ⁡ b , que nada mais é do que uma reta de coeficiente angular igual a b , que desenhamos acima em azul.

Agora vamos analisar os limites de x : temos 0 e ( a cos ⁡ b ) , ou seja, dois números. Mas ( a cos ⁡ b ) não é um valor qualquer de x , é exatamente o ponto em que a reta corta a circunferência, pois:

a cos ⁡ b 2 + a sen ⁡ b 2 = a 2  

Assim, o ponto ( a cos ⁡ b ,   a sen ⁡ b ) satisfaz as duas equações.

Vemos, então, que em coordenadas polares podemos descrever essa região dessa forma:

D = r , θ 0 ≤ r ≤ a ;   0 ≤ θ ≤ b

Pra cobrir toda a região, o raio r tem que variar de 0 a a e o ângulo θ de 0 a b .

Passo 3

Antes de substituir tais valores na integral do problema, perceba que:

x 4 - y 4 = x 2 + y 2 x 2 - y 2

Isso vai ajudar a simplificar a integral porque teremos: sen 2 ⁡ θ + cos 2 ⁡ θ = 1 .

∬ D   x 2 + y 2 x 2 - y 2   d x   d y = ∫ 0 b   ∫ 0 a r 2 sen 2 ⁡ θ + r 2 cos 2 ⁡ θ ( r 2 cos 2 ⁡ θ - r 2 sen 2 ⁡ θ ) r d r d θ =

= ∫ 0 b   ∫ 0 a cos 2 ⁡ θ - sen 2 ⁡ θ r 5 d r d θ =

Passo 4

Agora vamos integrar em relação a r ;

= ∫ 0 b cos 2 ⁡ θ - sen 2 ⁡ θ r 6 6     r = 0 r = a d θ =

= ∫ 0 b cos 2 ⁡ θ - sen 2 ⁡ θ a 6 6 d θ =

Passo 5

Antes de integrar em relação a θ , vamos aplicar a equação trigonométrica:

cos 2 ⁡ θ - sen 2 ⁡ θ = cos ⁡ 2 θ

Caso você não se lembrasse dessa fórmula, poderia utilizar as equações do arco duplo: cos 2 ⁡ θ = 1 + cos ⁡ 2 θ 2 e sen 2 ⁡ θ = 1 - cos ⁡ 2 θ 2 , só teria um pouquinho mais de trabalho.

Assim, temos:

a 6 6 ∫ 0 b cos ⁡ 2 θ d θ =

= a 6 6 sen ⁡ 2 θ 2 0 b =

Resposta

a 6 sen ⁡ 2 b 12

Esse conteúdo é exclusivo para cadastrados.

Cadastre-se grátis no maior portal de exatas do Brasil!

Relaxa, não vamos publicar nada no seu nome.

  • Resumões direto ao ponto
    Resumões
    direto ao ponto
  • Exercícios resolvidos passo a passo
    Exercícios resolvidos
    passo a passo
  • Videoaulas incríveis
    Videoaulas
    incríveis
  • Aulões Salva-Vidas
    Aulões
    Salva-Vidas

Muita matéria pra estudar?

Dexter Estudando

Cadastre-se para acessar os Resumões Gratuitos

Relaxa, não vamos publicar nada no seu nome.

  • Resumões direto ao ponto
    Resumões
    direto ao ponto
  • Exercícios resolvidos passo a passo
    Exercícios resolvidos
    passo a passo
  • Videoaulas incríveis
    Videoaulas
    incríveis
  • Aulões Salva-Vidas
    Aulões
    Salva-Vidas