Passo 1

Bom, a gente sempre deve fazer o teste da divergência antes de tentar qualquer outro teste (a não ser que a série envolva um fatorial ou seja muito complicado de calcular o limite), porque se o cara for divergente, a gente já mata a questão, ok? Você lembra o que diz o teste da divergência?

Relaxa, nada mais é que calcular o limite do termo geral da série, quando n → ∞ . Se esse limite for diferente de zero, a série diverge, e se ele for diferente de zero, nada podemos concluir. Então bora fazer esse teste:

lim n → ∞ ⁡ 1 n + n + 1 = 0

Eita! Deu zero, então agora vamos para outro teste.

Passo 2

Olha nosso termo geral:

a n = 1 n + n + 1

Estamos procurando uma série com um termo geral b n para calcularmos o limite:

lim n → ∞ ⁡ a n b n = C

Se esse C for um número maior que zero, teremos que ou ambas divergem ou ambas convergem. Então vamos em busca desse b n .

Você vai escolher esse cara da seguinte forma:

Pega o termo de maior grau no numerador e divide pelo termo de maior grau no denominador (não precisa se preocupar com as constantes).

b n = 1 n

Passo 3

Agora a gente calcula o limite:

lim n → ∞ ⁡ 1 n + n + 1 1 n = lim n → ∞ ⁡ n n + n + 1 = lim n → ∞ ⁡ n n + n + 1 = lim n → ∞ ⁡ 1 1 + 1 n + 1 n 2 = 1

Logo, como a série ∑ 1 n diverge, pois é uma p-série com p = 1 / 2 , nossa série também diverge!

Resposta

A série diverge.

Exercícios de Livros Relacionados

Teste a convergência ou divergência das séries.sum_(n = 1)^(oo) (root(n)(2) - 1)
Teste a série quanto a sua convergência ou divergência. ∑ n = 1 ∞ n 4 + 1 n 3 + n
Teste a série quanto a sua convergência ou divergência. ∑ n = 1 ∞ n - 1 n 3 + 1
Teste a série quanto a sua convergência ou divergência. ∑ n = 1 ∞ n 2 - 1 n 3 + 1
Teste a série quanto a convergência ou divergência. ∑ n = 1 ∞ 1 n 1 + 1 / n