Um carro de massa m   =   1,50   t o n e l a d a s descreve sem derrapar uma curva no plano horizontal de raio r   =   30,0   m com velocidade v   =   36,0   k m / h . O gráfico ao lado indica o comportamento da força de atrito para este caso específico.

(c) Determine os coeficientes de atrito estático e cinético entre o carro e a pista.

Passo 1

Analisar o movimento do carro

Antes de mais nada, vamos das uma olhada no movimento do carro:

No movimento circular do carro, a nossa querida força de atrito vai atuar como uma força centrípeta, beleza? Se é assim, podemos igualar as duas:

F → a t = F → c p = m v 2 r

Passo 2

(c) Análise gráfica

Antes do carro derrapar, a força de atrito vai crescendo até seu valor máximo. Depois, a força de atrito passa a ser constante com a força aplicada.

Então temos duas regiões no gráfico e para cada uma delas, vamos ter essas duas expressões meigas para a força de atrito:

F → a t e =   μ e N

F → a t c =   μ c N

Passo 3

Partir pras contas

Pô, da uma olhada no que as expressões da força de atrito tem em comum: a força normal! Como essa questão não tem nenhuma pegadinha nem nada, a força normal nesse caso vai se igualar ao peso do carro mesmo, logo:

F → a t e =   μ e m g →   μ e = F → a t e m g

F → a t c =   μ c m g →   μ c = F → a t c m g

Agora é só substituir! Falta saber qual força de atrito usar só. Eai, já sabe? Temos que usar antes de derrapar a força de atrito máxima e depois de derrapar a força de atrito pra quando o gráfico é constante, beleza? Partiu calcular agora:

μ e = F → a t e m g = 15000 1500.10 = 1

  μ c = F → a t c m g = 10000 1500.10 = 0,667

Resposta

c) μ e = 1 μ c = 0,667

Exercícios de Livros Relacionados

Qual é o menor raio de uma curva sem compensação (plana) que permite q
Um estudante que pesa 667   N está sentado, com as costas eretas,
Em um brinquedo de parque de diversão, um carro se move em uma circunf
Um bonde antigo dobra urna esquina fazendo uma curva plana com 9,1 &nb