Um pêndulo cônico é constituído por uma partícula presa a um fio ideal que faz um ângulo θ com a vertical, de modo que a partícula esteja em movimento circular uniforme em um plano horizontal com o centro da trajetória no ponto C da vertical, como indica a figura. Em um dado instante, em que a partícula está em um ponto P , sua aceleração é um vetor de

(a) módulo g , vertical apontando pra baixo

(b) módulo g cos ⁡ θ , apontando de P pra C

(c) módulo g tan ⁡ θ , apontando de C pra P

(d) módulo g tan ⁡ θ , apontando de P pra C

(e) módulo g cos ⁡ θ , apontando de C pra P

Passo 1

Num movimento circular, tem a aceleração tangencial, tangente ao movimento, e a aceleração centrípeta, que aponta pro meio da trajetória.

Mas o movimento é circular uniforme! Isso significa que o módulo da velocidade da partícula não varia, então a partícula não tem aceleração tangencial. Portanto, a sua aceleração é só centrípeta.

Ou seja, o vetor aceleração da partícula aponta de P pra C .

Show, só assim de bobeira já eliminamos 3 alternativas!

Passo 2

E já que estamos falando de aceleração, por que não usar a 2ª lei de Newton? As únicas forças atuando na partícula são seu peso P → e a tração no fio T → :

Passo 3

Mas já que a aceleração é só centrípeta, a boa é decompor essas forças pra elas terem uma componente centrípeta. No caso a P → não dá pra decompor porque ela já é perpendicular à direção centrípeta, mas a T → dá!

Vou considerar esse triângulo que tá aparecendo aí na figura de cima. Aplicando uma trigonometria básica, a decomposição da força T → vai ser:

Passo 4

A força resultante na direção centrípeta é T → sen ⁡ θ , então, pela 2ª lei de Newton:

T → sen ⁡ θ = m a → c p

Mas já vimos que a aceleração total da partícula é igual à sua aceleração centrípeta, então podemos trocar a → c p por a → , o que dá:

T → sen ⁡ θ = m a →

⇒ T sen ⁡ θ = m a

⇒ a = T sen ⁡ θ m

Então pra achar a , precisamos do valor de T !

Passo 5

A partícula não tem movimento no sentido vertical, então as forças T → cos ⁡ θ   e P → se cancelam:

T → cos ⁡ θ + P → = 0

⇒ T cos ⁡ θ - P = 0

E P = m g , então:

T cos ⁡ θ = m g

⇒ T = m g cos ⁡ θ

Passo 6

Show! Então vamos ter:

a = T sen ⁡ θ m

⇒ a = m g cos ⁡ θ ∙ sen ⁡ θ m

⇒ a = g sen ⁡ θ cos ⁡ θ = g tan ⁡ θ

Resposta

Alternativa (d)

Exercícios de Livros Relacionados

Qual é o menor raio de uma curva sem compensação (plana) que permite q
Um estudante que pesa 667   N está sentado, com as costas eretas,
Em um brinquedo de parque de diversão, um carro se move em uma circunf
Um bonde antigo dobra urna esquina fazendo uma curva plana com 9,1 &nb