A figura mostra um motociclista que precorre um Globo da Morte de raio R = 5   m sem deixar de estar em contato com o mesmo. No ponto (A) que faz um ângulo θ com a vertical, sua velocidade é v A = 10   m / s e se mantém constante. A massa da moto e motociclista é M = 200   k g .

(a) Faça o diagrama de corpo isolado da motocicleta no ponto (A).

(b) Suponha que s e n θ = 0,6 e c o s θ = 0,8 e calcule o módulo da força normal no ponto (A), N A .

(c) Suponha que no ponto (A) a força de atrito estática com o solo atinge seu valor máximo. Use o resultado do item anterior para calcular o coeficiente de atrito estático µ e .

Passo 1

Na letra (a), queremos as forças atuando sobre a moto.

Temos a força peso P → que sempre aponta para baixo e a força normal N → que aponta na direção perpendicular à superfície da rampa:

Só essas?

Na verdade, se só existem essas forças, a moto estaria desacelerando devido à componente da força peso que atua no sentido contrário ao movimento.

Então, para que a moto mantenha sua velocidade constante, deve haver uma força de atrito empurrando ela “para frente”:

Ué, mas força de atrito para frente???

Isso mesmo!

Quando o motociclista acelera a moto, o que acontece é que as rodas tentam girar mais rápido no sentido horário. Assim, a força de atrito aparece contra essa tendência de deslizamento empurrando a moto para frente.

Passo 2

Ne letra (b), queremos o módulo da força normal no ponto A.

Como a moto realiza uma trajetória circular, a força resultante na direção radial (apontando para o centro) deve ser igual à resultante centrípeta:

F R r a d i a l = F c t p

Passo 3

Para analisar as forças na direção radial, temos que decompor o vetor peso P → que apresenta uma componente em cada eixo (radial e tangencial).

Para isso, vamos usar o ângulo θ .

Vamos transportar o ângulo para o ponto de aplicação da força peso, traçando os eixos radial e tangencial:

Decompondo a força, temos:

P r a d = P c o s θ P t a n = P s e n θ

Passo 4

Agora, vamos fazer o somatório de forças na direção radial:

F R r a d i a l = F c t p

A resultante deve apontar para o centro da trajetória circular, então vamos considerar o sentido apontando para o centro como positivo (sentido da aceleração):

N - P r a d = F c t p

Passo 5

A força centrípeta tem uma expressão igual a:

F c t p = m v 2 R

Aplicando essa expressão, temos:

N - P r a d = M v A 2 R

Temos ainda que a componente P r a d vale:

N - P c o s θ = M v A 2 R

N = M v A 2 R + P c o s θ

A força peso é massa vezes aceleração da gravidade:

N = M v A 2 R + M g c o s θ

Colocando em evidência a massa:

N = M v A 2 R + g c o s θ

Passo 6

Substituindo os valores numéricos, temos:

N = 200 10 2 5 + 10 0,8

N = 200 100 5 + 8

N = 5600   N

Passo 7

Na letra (c), queremos o coeficiente de atrito estático μ e sendo que a força de atrito está em seu valor máximo.

Força de atrito estático? Mas a moto não está em movimento??

Sim, a moto está em movimento, porém os pneus da moto estão girando sem deslizar no solo. Como não há deslizamento, o atrito é estático.

Quando a força de atrito estático atinge seu valor máximo, temos que ela vale:

F a t = μ e N

Nós já temos o valor da força normal N , mas ainda falta o valor da F a t .

Passo 8

Vamos aplicar a Segunda Lei de Newton na direção tangencial, agora.

Como a moto está com velocidade constante, temos um equilíbrio de forças na direção tangencial:

F R t a n = 0

F a t - P t a n = 0

F a t = P t a n

F a t = M g s e n θ

Passo 9

Voltando à expressão da F a t , temos:

F a t = μ e N

M g s e n θ = μ e N

μ e = M g s e n θ N

Substituindo os valores, temos:

μ e = 200 × 10 × 0,6 5600

μ e ≈ 0,21

Resposta

(a)

(b)

N = 5600   N

(c)

μ e ≈ 0,21

Exercícios de Livros Relacionados

Qual é o menor raio de uma curva sem compensação (plana) que permite q
Um estudante que pesa 667   N está sentado, com as costas eretas,
Em um brinquedo de parque de diversão, um carro se move em uma circunf
Um bonde antigo dobra urna esquina fazendo uma curva plana com 9,1 &nb