Exercícios Resolvidos de Integrais Impróprias-Limites Sendo Infinito

UFF - Cálculo IIA - P1 Marlene 2014.2 - 4b

Analise a convergência da integral imprópria

1 1 x 4 sen 1 x d x

Passo 1

Temos uma integral imprópria, pois um dos limites de integração é infinito. A função 1 x 4 s e n   1 x é contínua no intervalo de integração [ 1 , + ) dado, então tá sussa!

Ele pede para analisarmos a convergência. Basicamente, vamos calcular o limite dessa integral e ver se o limite dá um número finito. Se sim, então a integral é convergente. Se ao calcular o limite obtivermos um valor do tipo ± , a integral é divergente. Vamos seguir o barco?

MOSTRAR SOLUÇÃO COMPLETA

Passo 2

Já sabemos que quando temos uma integral imprópria com limite superior , fazemos isso aqui:

a f x d x = lim b a b f x d x

Então:

1 1 x 4 sen 1 x d x = lim b 1 b 1 x 4 sen 1 x d x

Para resolver, eu vou achar a primitiva

1 x 4 sen 1 x d x

E depois aplicar o Teorema Fundamental do Cálculo – Parte 2 e então calcular o limite. Para calcular a primitiva, a primeira coisa que vou fazer é uma substituição para facilitar a vida. Acompanha aqui.

t = 1 x d t =   - 1 x 2 d x

E é ai que entre a mágica! Veja só, podemos chamar:

1 x 4 =   - 1 x 2 - 1 x 2

- 1 x 2 = - 1 x 1 x = - t 2

Aplicando essas igualdades na integral, chegamos à:

1 x 4 sen 1 x d x = - 1 x 2 - 1 x 2 sen 1 x d x = - 1 x 2 sen 1 x   - 1 x 2 d x

1 x 4 sen 1 x d x = -   t 2 sen t   d t

Passo 3

E agora? Essa integral sai por partes, concorda?

- t 2 s e n   t   d t  

Pela nossa regrinha do LIATE, eu devo chamar de u o polinômio t 2 e de d v a função trigonométrica s e n   t   d t

u = - t 2 d u = - 2 t   d t

d v = s e n   t   d t v = s e n   t   d t v = - cos t

Como a integração por partes segue o modelo:

u   d v   = u v - v   d u  

Vamos ter:

- t 2 s e n   t   d t   = - t 2 - cos t - - cos t   - 2 t   d t  

- t 2 s e n   t   d t   = t 2 cos t - 2 t cos t   d t  

Passo 4

A integral 2 t cos t   d t   é resolvida aplicando-se partes novamente:

u = 2 t d u = 2   d t

d v = cos t   d t v = c o s   t   d t v = s e n   t

Como a integração por partes segue o modelo:

u   d v   = u v - v   d u  

Vamos ter:

2 t cos t   d t   = 2 t sin t - 2 sin t   d t  

2 t cos t   d t   = 2 t sin t + 2 cos t

Passo 5

Substituindo:

- t 2 s e n   t   d t   = t 2 cos t - 2 t cos t   d t  

2 t cos t   d t   = 2 t sin t + 2 cos t

Temos:

- t 2 s e n   t   d t   = t 2 cos t - 2 t sin t + 2 cos t

- t 2 s e n   t   d t   = t 2 cos t - 2 t sin t - 2 cos t

Voltando para a variável x :

1 x 4 sen 1 x d x =   1 x 2 cos 1 x - 2 1 x sin 1 x - 2 cos 1 x

1 x 4 sen 1 x d x =   cos 1 x x 2 - 2 sin 1 x x - 2 cos 1 x

Passo 6

Ok. Agora aplicamos o TFC-Parte 2:

1 b 1 x 4 sen 1 x d x = cos 1 b b 2 - 2 sin 1 b b - 2 cos 1 b - cos 1 1 1 2 - 2 sin 1 1 1 - 2 cos 1 1

1 b 1 x 4 sen 1 x d x = cos 1 b b 2 - 2 sin 1 b b + 2 cos 1 b - cos 1 - 2 sin 1 - 2 cos 1

1 b 1 x 4 sen 1 x d x = cos 1 b b 2 - 2 sin 1 b b + 2 cos 1 b - - cos 1 - 2 sin 1

1 b 1 x 4 sen 1 x d x = cos 1 b b 2 - 2 sin 1 b b + 2 cos 1 b + cos 1 + 2 sin 1

Passo 7

E calculamos o limite:

l i m b 1 b 1 x 4 sen 1 x d x = l i m b cos 1 b b 2 - 2 sin 1 b b + 2 cos 1 b + cos 1 + 2 sin 1

= l i m b cos 1 b b 2 - 2   l i m b sin 1 b b + 2 lim b cos 1 b + cos 1 + 2 sin 1

Temos que

l i m b cos 1 b b 2 = 0

l i m b sin 1 b b = 0

lim b cos 1 b = cos 0 = 1

Logo:

l i m b 1 b 1 x 4 sen 1 x d x = - 2 + cos 1 + 2 sen 1

Resposta

A integral imprópria é convergente:

1 1 x 4 sen 1 x d x = - 2 + cos 1 + 2 sen 1

Esse conteúdo é exclusivo para cadastrados.

Cadastre-se grátis no maior portal de exatas do Brasil!

Relaxa, não vamos publicar nada no seu nome.

  • Resumões direto ao ponto
    Resumões
    direto ao ponto
  • Exercícios resolvidos passo a passo
    Exercícios resolvidos
    passo a passo
  • Videoaulas incríveis
    Videoaulas
    incríveis
  • Aulões Salva-Vidas
    Aulões
    Salva-Vidas