Duas partículas com velocidades iniciais perpendiculares (figura) colidem de forma totalmente inelástica. Seja p → o momento linear total do sistema composto pelas duas partículas ( p → , seu módulo) e K a energia cinética total deste sistema. Comparando os valores de p → e K antes e depois da colisão, pode-se afirmar que

(a) p → é conservado, K é reduzido, porém não a zero.

(b) p → é conservado, K é conservado;

(c) p → é reduzido a zero, K é reduzido a zero;

(d) p → é conservado, K é reduzido a zero;

(e) p → é reduzido, porém não a zero, K é reduzido, porém não a zero;

Passo 1

Geralmente, quando é pra considerar alguma força externa, o enunciado menciona. Mas aqui ele não falou nada, então vamos assumir que não tem nenhuma força externa atuando no sistema.

Portanto, o momento linear se conserva. Já dá pra eliminar as alternativas (c) e (e)!

Passo 2

Agora vamos dar uma olhada na energia cinética.

A alternativa (b) fala que ela é conservada, mas isso é falso! A energia cinética só é conservada numa colisão elástica, e aqui a colisão é totalmente inelástica.

Então já podemos eliminar a alternativa (b) também. Sabemos que a energia cinética vai diminuir, resta saber se ela vai ser reduzida a zero ou não.

Passo 3

A colisão é totalmente inelástica, então depois dela acontecer as partículas se juntam, formando uma partícula só (que é o nosso sistema).

Uma maneira boa de proceder é assumir que a velocidade final do sistema é zero, assim a energia cinética final seria zero também.

Aí se der alguma inconsistência, tipo um número ao quadrado dando negativo, ou algo assim, vamos saber que a nossa suposição inicial estava errada. E se não der nenhum problema, então nossa suposição vai estar certa, show?

Passo 4

Como a velocidade final do sistema é nula, então o momento linear final também é zero. E o momento linear se conserva, então o momento linear inicial tem que ser zero!

Digamos que as partículas A e B têm, respectivamente, massas m A e m B . O momento linear inicial do sistema vai ser:

m A v → A + m B v → B

E ele tem que dar zero:

m A v → A + m B v → B = 0 →

Passo 5

Vamos chamar os módulos de v → A e v → B de v A e v B , respectivamente.

v → A aponta pra direita, no sentido do eixo x e v → B pra cima, no sentido do eixo y . Sendo î   o vetor unitário do eixo x , j ^ o do eixo y , essa equação vai dar:

m A v A î + m B v B j ^ = 0 → = 0 î + 0 j ^

Passo 6

Comparando os 2 lados, podemos ver que:

m A v A = 0 m B v B = 0

Mas as massas e os módulos das velocidades não valem zero, então isso é absurdo! Esse é justamente o tipo de inconsistência que eu falei antes, deu ruim porque a gente assumiu que a velocidade final era zero. Então isso estava errado: a velocidade final não é nula, portanto, a energia cinética é reduzida, mas não a zero.

Momento cultura: Acabamos de fazer uma Reductio ad absurdum (latim para “redução ao absurdo”), que é essa prova por contradição. Agora já dá pra você se gabar com seu professor de física haha ;)

Resposta

Alternativa (a)

Exercícios de Livros Relacionados

Na Fig. 9-63, o bloco 1 (com uma massa de 2,0   k g ) está se movendo para a direita com uma velocidade escalar de 10   m / s e o bloco 2 (com uma massa de 5,0   k g ) está se move...
Uma colisão frontal perfeitamente inelástica ocorre entre duas bolas de massa de modelar que se movem ao longo de um eixo vertical. Imediatamente antes da colisão, uma das bolas, d...
Um vagão fechado em um pátio de manobras é colocado em movimento no topo de um morro artificial. O vagão desce silenciosamente e sem atrito sobre um trilho horizontal reto, onde se...
Uma bala de 10,0   g é disparada e entra em um bloco de madeira de 200   g em repouso sobre uma superfície horizontal. Após o impacto, o bloco desliza 8,00   m antes de parar. Se o...