Um motorista está dirigindo um carro fazendo uma curva em uma rua de mão única a 30 km/h. Quando ele sai da curva nota vindo em sua direção um carro idêntico ao seu com a mesma velocidade. Como tudo acontece muito rápido, ele só tem duas escolhas: colidir com o carro vindo em sua direção ou desviar para colidir, também de frente, com um muro de concreto. Supondo as duas colisões totalmente inelásticas e de igual duração, qual seria a melhor decisão para provocar a menor deformação sobre seu carro?

a) colidir com o outro carro.

b) colidir com o muro.

c) tanto faz.

d) preciso de mais informações.

Passo 1

Vamos separar a questão em 2 casos: colisão carro-carro e colisão carro-muro, beleza?

Começando pela colisão carro-carro:

Ela é totalmente inelástica, então os 2 carros terminam a colisão colados e com a mesma velocidade final. E é bem intuitivo pensar que essa velocidade final é zero, pois temos 2 carros idênticos andando na mesma velocidade e colidindo de frente!

Vamos confirmar isso!

Sendo i o vetor unitário do eixo x no qual se deslocam os carros e m a massa deles, o momento linear total do sistema logo antes da colisão é

p a n t e s = m 30 i + m - 30 i = 0

E logo depois da colisão temos

p d e p o i s = m v f + m v f = 2 m v f

Passo 2

Pela conservação do momento linear total:

p d e p o i s = p a n t e s

⇒ 2 m v f = 0

⇒ v f = 0

Show, confirmamos que os carros terminam a colisão parados!

Passo 3

Agora vamos dar uma olhada em como seria a colisão carro-muro.

O enunciado não dá nenhuma informação explícita sobre a massa do muro, ele só fala que é de concreto. Então vou assumir que o muro é bem mais pesado que o carro, ok? Tipo bem mais pesado mesmo. Só assim vamos poder resolver a questão. E podemos chamar a massa do muro de M .

Ou seja, vamos considerar M ≫ m .

Então o momento linear total logo antes da colisão é:

p a n t e s = m 30 i + M ⋅ 0 = m 30 i

E logo depois da colisão, o carro e o muro saem colados com a mesma velocidade final v f :

p d e p o i s = m + M v f

Passo 4

Aplicando a conservação do momento linear total:

p a n t e s = p d e p o i s

⇒ m 30 i = m + M v f

v f = 30 m m + M i

Como M ≫ m vamos considerar m + M ≫ 30 m , ou seja:

v f = 30 m m + M i ≈ 0

Passo 5

Nos 2 casos obtivemos que a velocidade final do carro após a colisão é nula, então o carro tem a mesma variação de energia cinética nas 2 colisões, sua velocidade passando de 30   k m / h pra 0   k m / h . Ou seja, tanto faz ele bater no outro carro ou no muro. O enunciado dessa questão não está muito claro mas basicamente é isso!

Resposta

Alternativa (c)

Exercícios de Livros Relacionados

Na Fig. 9-63, o bloco 1 (com uma massa de 2,0   k g ) está se movendo para a direita com uma velocidade escalar de 10   m / s e o bloco 2 (com uma massa de 5,0   k g ) está se move...
Uma colisão frontal perfeitamente inelástica ocorre entre duas bolas de massa de modelar que se movem ao longo de um eixo vertical. Imediatamente antes da colisão, uma das bolas, d...
Um vagão fechado em um pátio de manobras é colocado em movimento no topo de um morro artificial. O vagão desce silenciosamente e sem atrito sobre um trilho horizontal reto, onde se...
Uma bala de 10,0   g é disparada e entra em um bloco de madeira de 200   g em repouso sobre uma superfície horizontal. Após o impacto, o bloco desliza 8,00   m antes de parar. Se o...